Reprodução/Kremlin.ru
Reprodução/Kremlin.ru

Rússia alerta para ‘riscos consideráveis’ de guerra nuclear

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Na última segunda-feira, 25, o Departamento de Estado norte-americano emitiu uma declaração de emergência que aprova uma venda de US$ 165 milhões em munição à Ucrânia. Porém, ao saber da aprovação, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, alertou para os riscos de uma guerra nuclear.

No comunicado do departamento norte-americano, o governo ucraniano alegou que precisava adquirir cartuchos de “munição fora do padrão”, não reguladas pela Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). Como resposta, o Departamento de Estado disse que “À medida que as forças ucranianas gastam munição para defender o seu país, suas necessidades diárias de reabastecimento continuam aumentando”, declarando também que o status emergencial se deve ao “armazenamento criticamente baixo de munição” na Ucrânia.

CONTINUE LENDO...

Na prática, esta foi a primeira vez que uma declaração de emergência foi emitida durante o governo do presidente dos EUA, Joe Biden. A medida não é usada desde 2019, quando o então presidente Donald Trump decidiu vender equipamentos militares para a Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Jordânia. Em resposta, Lavrov fez um alerta durante uma entrevista à TV estatal russa alegando que “Os riscos (de uma guerra nuclear) agora são consideráveis” enfatizando que “Eu não gostaria de elevar esses riscos artificialmente. Muitos gostariam disso. O perigo é sério, real. E não devemos subestimá-lo”, falou.

Na ocasião, Lavrov também acusou a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) de estar “engajada em uma guerra com a Rússia através de um procurador” e está “armando esse procurador”, que seria a Ucrânia.

Pelo Twitter, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, respondeu as declarações russas e dise que as afirmações mostram que o país perdeu a sua “última esperança de assustar o mundo” diante do apoio dos EUA. Ele disse ainda que “Isso significa apenas que Moscou sente a derrota”, completou.

Com informações do Poder 360

VER MAIS

VER MAIS