Reprodução
Reprodução

Moradores do Sul do Pará discutem neste sábado criação de novo município

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Neste sábado, 11, às 18h, duas sessões públicas ocorrem para debater a possibilidade de criação do novo município de Paraguatins, em Marabá, sudeste do Pará. A plenária acontece no ginásio de esporte de Morada Nova, e no domingo, 12, a segunda plenária será realizada às 9h na sede do Sindicato dos Empregados no Comércio do Município de Marabá e Sul do Pará (Sindecomar).

A Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa) aprovou no mês passado, por unanimidade, o decreto legislativo que autoriza consulta pública sobre a emancipação dos núcleos distantes do centro econômico da cidade de Marabá, localizados depois do Rio Tocantins. A comissão de emancipação dá início, agora, ao processo de definir com os mais de 70 mil moradores, a criação ou não do novo município.

CONTINUE LENDO...

A presidente da Comissão, Haidê Sena, entende a finalidade da plenária como uma forma de conscientizar a população sobre a necessidade de emancipar os dois núcleos e transforma-lo no município de Paraguatins. “A primeira e segunda tentativa de independência foram vetadas por ex-presidentes, entretanto, através da lei 74, a qual dá direito a Assembleia Legislativa votar e realizar os plebiscitos, nós conseguimos mais uma chance de emancipação”, explica.

Para António Sobrinho, morador do núcleo Morada Nova, a criação de Paraguatins seria de extrema importância, pois acredita na independência dos núcleos. Segundo o morador, a população se sente esquecida pelo poder público devido a distância física dos núcleos.

Davi Luiz Sousa, também membro da comissão, entende que o comércio forte dos dois núcleos, a bacia leiteira e as várias indústrias compõem a viabilidade econômica necessária para a criação da nova cidade. “Já ocorreu o estudo de viabilidade, até porque, para que acontecesse o plebiscito foi necessário comprovar que poderíamos nos sustentar de forma autônoma, e podemos”, garante.

Com informações Correio

VER MAIS

VER MAIS