Reprodução
Reprodução

Procuradora diz que foi agredida por 20 minutos: ‘intenção dele era me matar’

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

No fim da tarde desta quarta-feira, 22, Gabriela Samadello Monteiro de Barros, de 39 anos, contou como foi agredida por Demétrius Oliveira Macedo, de 34 anos. De acordo com a procuradora, a agressão durou cerca de 20 minutos.

Os golpes foram além de socos e cotovelada e duraram muito mais tempo do que os 20 segundos registrados em imagens por uma colega de trabalho.

CONTINUE LENDO...

“O vídeo começa quando eu estava ali no canto, já rendida. Quando as agressões começaram eu estava longe da parede, eu fui arremessada”, disse Gabriela Barros.

Intenção de matar

A procuradora-geral relatou que durante os 20 minutos em que foi agredida não achou que iria sobreviver ao ataque. “Na hora que eu estava sofrendo as agressões, eu achei que ele fosse me matar, achei que eu fosse morrer espancada”, contou.

Gabriela acredita que Demétrius merece ser condenado por tentativa de feminicídio e desacato.

“Se ele tivesse a intenção só de me machucar, ele não teria dado tantos golpes violentos só na minha cabeça. Ele poderia batido em outros locais do meu corpo, ter me dado tapas, ter me chutado nas pernas. A intenção dele estava bem direcionada para me matar.”

O início

A servidora relatou que as agressões começaram quando ela parou para conversar na mesa de uma colega de trabalho, antes de deixar a prefeitura no fim do expediente da última segunda-feira, 20.

“Eu estava saindo, ele saiu da sala dele que estava com a porta fechada e me surpreendeu com um golpe”, disse.

“Ele não dirigia a palavra para mim, ele só se comunicava comigo formalmente por memorandos. Quando era informalmente, ele mandava bilhetes pelos funcionários”, disse.

Motivação

Gabriela disse ainda que o procurador não aceitava se subordinar a uma mulher. “Ele me xingou de tudo quanto é nome, de vagabunda, de puta, depois ele me deu uma cotovelada, começou a me dar socos violentos na cabeça”, contou.

Sequelas

Gabriela ainda tem cortes na cabeça, um inchaço grande no olho e dificuldade para abrir a boca. Ela terá que passar por avaliações de um oftalmologista e um médico especialista no maxilar.

Traumatizada e com medo, ela diz que não fica sozinha e que está tomando medicamentos para conseguir dormir. A procuradora afirmou que quer voltar a trabalhar, mas ainda não tem condições psicológicas.

“Estou temendo mais do que antes, porque tomou uma proporção muito grande e ele com certeza está vendo tudo isso. Acho que ele pode me matar se me encontrar na rua”, contou.

Em depoimento à Polícia Civil, Demétrius admitiu que agrediu a colega de trabalho. “Mas alegou que assim o fez por sofrer assédio moral”, disse o delegado Fernando Carvalho Gregório.

Na tarde desta quarta-feira, 22, a Polícia Civil pediu a prisão preventiva do servidor.

Com informações do Metrópoles

VER MAIS

VER MAIS