Foto: John Wesley/Paysandu
Foto: John Wesley/Paysandu

‘Fizemos de tudo e não fomos letais’, lamenta Márcio Fernandes após empate do Paysandu

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

O Paysandu perdeu a chance de retornar ao posto de líder do Brasileirão da Série C ao ficar no empate com o Brasil de Pelotas. Nesse domingo, 26, a equipe bicolor até saiu na frente com um golaço de Serginho. Mas, aos 38 minutos do segundo tempo, Marcelinho contou com um desvio em Marlon para empatar o jogo e deixar o Estádio Banpará Curuzu em silêncio.

Durante os 90 minutos o Paysandu teve amplo domínio da partida. As principais chances de gols foram da equipe bicolor. No entanto, faltou “letalidade” ao time comandado por Márcio Fernandes para transformar a superioridade em gol. Após a partida, o treinador bicolor ressaltou a boa partida da equipe, mas classificou o empate como “coisas que acontecem”.

CONTINUE LENDO...

“Peco até por tentar, mas nunca por omissão. Meu time sempre joga para frente, joga para ganhar. Nós mostramos isso em todos os jogos. Fomos superiores. Esse foi o jogo em que mais atacamos, mais corremos, mais criamos. Infelizmente não fomos letais. Cito o jogo do Ferroviário, nós tivemos duas chances e fizemos dois gols. Ganhamos o jogo. São coisas que acontecem. Temos que levantar a cabeça. Eu sei que o nosso torcedor queria a vitória, queria mais gols. Fizemos de tudo para isso acontecer. Infelizmente não fomos letais”, disse.

Márcio Fernandes explicou ainda as mudanças que foram feitas durante a partida. Segundo ele, todas foram executadas por causa do cansaço dos jogadores. O treinador avaliou ainda que essas trocas fizeram com que a equipe mudasse sua características com a bola rolando, já que os jogadores ditos criativos, como José Aldo e Serginho, precisaram deixar o gramado.

“Eu não troquei nenhum jogador por ordem tática. Trocamos os jogadores por causa do cansaço. Eles sentiram. Como eu falei: o Robinho, no primeiro tempo, tinha dado 20 corridas. Ele sentiu. O Toscano teve cãibras nas pernas. O Aldo, Serginho. As substituições foram mais por ordem física do que tática. Isso mudou a característica do nosso time. Saíram os jogadores mais criativos do nosso time”, finalizou.

Com 22 pontos, o Paysandu segue na segunda colocação do Brasileirão da Série C. No próximo domingo, 3 de julho, a equipe bicolor fará o clássico Re-Pa com o Remo no Estádio Banpará Baenão pela 13ª rodada da competição.

VER MAIS

VER MAIS