Reprodução
Reprodução

Vídeo: crianças choram após guardas usarem spray de pimenta em escola

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Um vídeo gravado em maio por alunos da  Escola Municipal de Ensino Fundamental Pedro Nava (Emef), em São Paulo, mostra crianças chorando e acusando agentes da Guarda Civil Metropolitana (GCM) de usaram spray de pimento.

Os pais dos estudantes alegaram à GCM que o gás foi usado para dispersar uma briga de adolescentes que começou dentro da unidade escolar no Butantã, zona oeste da capital paulista, e se estendeu até a rua.

CONTINUE LENDO...

A técnica de enfermagem Janete Barbosa Pereira, 42 anos, tem uma filha de 14 anos que cursa o nono ano na escola municipal.

Os primos dela, de 11 e 13 anos, também estudam no local e foram atingidos pelo gás usado por volta das 18h40, horário de saída dos estudantes. O adolescente é um dos alunos que aparecem no vídeo.

“Muitas crianças passaram muito mal. O meu primo aparece no vídeo sentado chorando, muito nervoso, com dor, sem conseguir respirar”, relatou a técnica de enfermagem mencionando a criança de 11 anos.

Prefeitura

A Prefeitura de São Paulo afirmou que a GCM atendeu uma ocorrência na Escola Municipal de Educação Fundamental em 20 de maio de tumulto e briga entre alunos e moradores da comunidade, que avançaram contra os agentes.

“As equipes da GCM tiveram de usar gás espargidor, equipamento de menor potencial ofensivo próprio para dispersar tumultos e garantir a segurança dos envolvidos e dos próprios agentes públicos”, disse a gestão municipal em nota.

O comunicado informou ainda que a atuação GCM na escola segue diretrizes municipais para segurança urbana, de acordo com o decreto nº 58.199, de 2018. Segundo a nota, o patrulhamento é feito por meio de policiamento fixo ou rondas periódicas.

“A Prefeitura de São Paulo, por meio das Secretarias Municipal de Segurança Urbana e de Educação, reafirma que diante das denúncias feitas pelos alunos, instaurou apurações preliminares para investigar os fatos relatados”, disse a gestão.

Vídeo:

Com informações do Metrópoles

VER MAIS

VER MAIS