Divulgação.
Divulgação.

Brasileiro decide ter o próprio time de futebol em Goiás com R$ 2 milhões

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Um brasileiro em especial estava em Manchester, no Reino Unido, assistindo ao jogo entre dois dos maiores clubes do mundo do futebol: Manchester City x Liverpool, com resultado final de 2 x 2 em um jogo eletrizante.

Tudo de pertinho e gravando cada lance da partida, Pedro Feitosa, advogado de 35 anos, apaixonado por futebol, realizou o sonho de muitos brasileiros de ir a um jogo de Premier League. “Quando cheguei em Manchester, fiquei impressionado como aquele lugar respirava o futebol de uma forma mágica. Era como se tudo se conectasse ao mundo da bola, e pensei: ‘É exatamente isso que eu quero fazer, conhecer os estádios e assistir jogos pelo mundo’”.

CONTINUE LENDO...

Estudioso que sempre foi – entrou na faculdade com apenas 15 anos – aos 20 anos, já era advogado formado e aprovado no difícil exame da profissão (exame da OAB). Ele aliou esse foco nos estudos ao mundo da bola, criando uma forma interessante de investimento esportivo, onde inclusive dá até consultoria, já ultrapassando a incrível marca de mais de 120 mil alunos. Sem falar do sonho de ter seu próprio clube de futebol.

“Eu vou ter um clube, e já me planejo pra isso, faço cursos na área de gestão, só não sei ainda o prazo para isso acontecer”, revelou.

Do Direito ao Futebol

Antes de ser um grande sucesso nas redes sociais, Pedro era advogado no segundo maior escritório de advocacia da Bahia, o Martorelli Advogados. Mas, na sua mente, só pensava em como viver através do futebol, já que essa sempre foi a sua paixão desde menino. “Eu chegava a assistir a seis jogos por dia, há 10 anos”, falou o empreendedor.

Nas suas buscas diárias na internet, descobriu que já existia, justamente, na Inglaterra, investidores esportivos que trabalhavam analisando partidas de futebol. Adquiriu alguns cursos, teve certa dificuldade com o idioma (que não dominava), mas não deixou que isso bloqueasse sua vontade. Em meados de 2011, decidiu abandonar a carreira jurídica e se dedicar integralmente aos estudos e análises de jogos de futebol.

Futebol como função social

Pedro que diz ter o sonho de ter seu próprio clube. “Quando falo em ter um clube, não penso na questão financeira, mas penso com um cunho social. Hoje em dia, praticamente, não existe mais os campos de terrão que joguei na minha infância, e que tenho certeza que mudou a vida de muitos jovens. Quero criar uma base que ajude as crianças que não tem condições de jogar em escolinhas particulares de futebol, dando oportunidade a todos”.

“Acredito que, com R$ 2 milhões, seja possível montar as estruturas iniciais de um clube de futebol para disputar as competições regionais do Estado do Goiás. A ideia é que seja um clube formador de jovens talentos, combinado com uma ação social de treinar crianças que não tem condições financeiras de pagar escolinhas de futebol”, almeja.

Fonte: Istoé.

VER MAIS

VER MAIS