Reprodução
Reprodução

Testemunha diz que desconfiou de médico porque paciente não conseguia segurar o bebê

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Uma das funcionárias que desconfiaram do médico anestesista Giovanni Quintella, de 31 anos, preso por estupro de vulnerável, contou que ele sedava as pacientes “de maneira demasiada”. Segundo a testemunha, “as pacientes nem seque conseguiam segurar os seus bebês” após o parto. As declarações foram feitas pela mulher durante depoimento para a Polícia Civil.

Conforme o depoimento da funcionária, o médico se posicionava sempre de forma a dificultar o campo de visão das pessoas que estavam na sala. “Giovanni ficava sempre à frente do pescoço e da cabeça da paciente, obstruindo o campo de visão de qualquer pessoa” na sala de cirurgia.

CONTINUE LENDO...

Segundo ela, o anestesista trabalhava na unidade de saúde há cerca de dois meses. Na data da prisão, ele sedou três mulheres e, de acordo com a testemunha, ela percebeu algo errado já no primeiro procedimento cirúrgico.

Consta no depoimento que, “após a saída do acompanhante da paciente da sala de cirurgia, Giovanni usou um capote, fazendo uma cabana que impedia que qualquer outra pessoa pudesse visualizar a paciente do pescoço para cima”.

O médico foi preso na madrugada de segunda-feira, 11, após estuprar uma grávida no Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

Com informações do Metrópoles

VER MAIS

VER MAIS