‘Mulher onça’ que gravou live sobre traição do marido em Belém nega volta com ‘presente de Deus’; assista

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Quem lembra da “Juma” paraense que “virou onça” e se tornou conhecida nos sites nacionais após ter compartilhado uma live mostrando a traição do marido, o tal “presente de Deus” como ela classificou, com a sua melhor amiga e madrinha de casamento em um motel de Belém? Pois bem, recentemente, um Instagram de fofoca de Belém compartilhou que Day Monique teria reatado o relacionamento com o ex-marido e que tinha, inclusive, postado fotos deles em sua conta no Instagram.

De acordo com Day, a informação é falsa. “Eu não voltei com este cão”, dispara. Através dos stories do Instagram, Day conta que foi assaltada hoje, 21, e que teve celular e alguns pertences levados pelos criminosos que estavam armados e, que a postagem com a foto dela ao lado do ex, foi compartilhada por quem teria subtraído seu aparelho celular.

CONTINUE LENDO...

Ela também registrou um Boletim de Ocorrência sobre o assalto e compartilhou nas redes sociais.

Veja o que ela disse:

Quem é Day Monique?

Day se tornou conhecida pois na noite do dia 18 de maio, ela teria flagrado o marido, identificado como Lucas, em um motel, no Conjunto Providência, no bairro de Val de Cães, na companhia da melhor amiga e madrinha de casamento e, decidiu fazer uma live expondo o flagrante da traição.

Na época, a live rendeu milhares de visualizações e ela ganhou muitos seguidores, tanto no facebook, quanto no Instagram.

“Eu fui fazer um ‘corre’, passei numa avenida que entra na CDP, e quem eu vi? O ‘cagão’ comprando long neck. Pedi pro mototáxi parar para ver pra onde ele ia. Todo sorridente ele entrou pra dentro do carro de aplicativo. Segui até aqui, esse motel ‘vagabundo’, onde o quarto é R$25. Então eu pedi um quarto, disse para a atendente que o casal estava me esperando também, daí eu ‘caí pra dentro’”, disse a mulher traída na época do fato.

E ela se tornou conhecida mesmo. A “fama” veio e ela seguiu a vida sem voltar pro “cagão da CDP”, como ela o chamou no dia do ocorrido.

VER MAIS

VER MAIS