Reprodução
Reprodução

Casal relata agressão por homofobia: ‘Ninguém agiu, ninguém falou nada’

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Um casal de mulheres foram agredidas fisicamente em mais um ato de homofobia em Florianópolis. Elas relataram que sofreram ataques físicos de um homem dentro de um ônibus e na loja de conveniência em um posto de gasolina. Elas contaram ainda que várias testemunhas presenciaram o crime e “nada fizeram”. A Polícia Civil investiga o caso, que ocorreu no último sábado, 16.

As vítimas são Sasha Côrtinaz, de 28 anos, e a namorada dela, Cami Del Poente, de 33 anos. Elas contam que tudo começou dentro de um ônibus, ainda no terminal do bairro Lagoa da Conceição, região leste.

CONTINUE LENDO...

O coletivo seguia em direção ao Centro da cidade e o agressor, identificado como um homem com cerca de 40 anos, estaria ouvindo música alta dentro do ônibus, o que é proibido por lei em Florianópolis. Sasha, então, foi falar com ele. Disse que perguntou se ele continuaria escutando as músicas até o Centro. Nesse momento, o homem se revoltou e insultou Cami.

O casal, então, disse que chamou o segurança do terminal do ônibus, que explicou ao homem sobre a lei.

“Nesse momento aconteceu a primeira vez que ele [agressor] humilhou a Cami, que foi quando ele falou para ela que ‘ela tinha uma energia muito ruim e ele ia sair de perto’. Se levantou e saiu andando para a frente do ônibus. E nesse momento todo o ônibus riu, ele ainda não estava cheio, tinham poucas pessoas, mas todas riram, foi bem humilhante”, contou Sasha.

Em seguida, o trajeto do coletivo ocorreu normalmente. Porém, já no Centro da cidade, o homem começou a mandar beijos para Cami, que reagiu com um gesto obsceno.

“Aí começou a falar algumas coisas pra Cami e solta que é para ela aprender a ser mulher. ‘Tu vai aprender a ser mulher, virar gente’. Falou do cabelo dela, da roupa dela. Nesse momento, levantei e disse que homofobia era crime e que eu iria ligar para a polícia”, relatou Sasha.

Depois, segundo ela, o homem se aproximou do casal e começou a empurrar e tentar chutá-las, gritando ofensas para Cami.

Em seguida, desceu do ônibus. Outro passageiro, revoltado com a situação, também saiu do coletivo e foi atrás do homem. O casal, então, resolveu também descer e segui-los, enquanto ligava para a polícia.

Loja de conveniência

Na rua, perderam o homem de vista. O casal e o passageiro pararam, então, na loja de conveniência de um posto de gasolina para descansar.

Nesse local, encontraram o agressor, que tinha virado a camisa do avesso e sacava em um caixa eletrônico. Quando percebeu o casal, Sasha gritou que chamaria a polícia e os três correram para a porta da loja para impedir que ele fugisse.

Ela contou que o homem partiu para cima de Cami e foi aí que ela e a namorada se feriram, ao tentar segurá-lo dentro do estabelecimento. Mesmo assim, ele conseguiu sair. Após as agressões, o casal foi para o hospital, acompanhadas do passageiro que as ajudou.

O delegado responsável pelo caso, Luís Fuentes, disse que o crime pode se enquadrar em LGBTfobia. O suspeito ainda não foi identificado.

Sasha compartilhou o caso em uma publicação nas redes sociais e descreveu o sentimento após as agressões:

“A vontade é esquecer e fingir que nada aconteceu, mas não dá, aconteceu! Aconteceu e cada vez que precisamos levantar da cama, abrir uma garrafa d’água ou coisas simples de escrever, a dor nos lembra. As dores do corpo da Cami e os machucados em carne viva não a deixam esquecer. As dores do meu corpo, o dedo cortado e quebrado não me deixa esquecer”, relatou.

Sasha disse que lamentou o fato de as testemunhas não as terem ajudado, com exceção do passageiro que foi atrás do agressor. Segundo ela, o casal acreditava estar mais protegido em meio a mais pessoas.

“As pessoas LGBT estão acostumadas a sofrer violência diariamente. E, de alguma forma bizarra, a gente se acostuma com isso. Desde a primeira vez, que ele gritou pra Cami aprender a ser mulher até o momento que ele saiu correndo do ônibus, passou muito tempo, tempo suficiente paras pessoas fazerem qualquer coisa”, lamentou.

Ela contou que a situação foi parecida no posto de gasolina, onde as funcionárias da loja de conveniência não ajudaram a chamar a polícia.

“Ninguém agiu, ninguém falou nada. A gente não teve amparo nenhum”, desabafou.

Com informações do G1

VER MAIS

VER MAIS