Reprodução/Instagram @prosnacional
Reprodução/Instagram @prosnacional

PROS lança candidatura de Pablo Marçal à Presidência da República

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Neste domingo, 31, o Partido Republicano da Ordem Social (Pros) lançou durante convenção nacional realizada em Brasília, a candidatura do coach e influenciador digital Pablo Marçal à Presidência da República.

Está será a primeira vez que a sigla terá candidatura própria ao Planalto. Fundado em 2010, o Pros esteve junto ao PT nas campanhas de Dilma Rousseff e Fernando Haddad.

CONTINUE LENDO...

Na convenção, Marçal destaca que “Vamos fazer muita coisa. Presidente tem que tomar medida impopular. Não tem como avançar sem reforma. A gente vai lutar. Vamos reformar esse país. Vamos respeitar a imprensa, os partidos. Até 2032, nós seremos a nação mais próspera da Terra” e diz que, em um eventual mandato, vai atuar para o país abrir 10 milhões de empresas e criar 50 milhões de empregos: “Quero que o Brasil em 4 anos abra 10 milhões de empresas e que isso vire 50 milhões de empregos. É com infraestrutura que se faz isso. Eu sou um tocador de obras, eu amo reformar e construir coisas”, argumentou o candidato. Até o momento, o vice de Marçal ainda não foi anunciado, mas pode ser divulgado ainda hoje.

Perfil

Nascido em Goiânia e formado em direito, Pablo Marçal ficou conhecido após levar um grupo de mais de 60 pessoas ao Pico do Marins, na Serra da Mantiqueira, em São Paulo, em janeiro deste ano. Na ocasião, Marçal ignorou alertas de mau tempo e insistiu em subir montanha na cidade de Piquete, em São Paulo. O grupo enfrentou uma tempestade com ventos de mais de 100 km/h e teve que ser resgatado pelos bombeiros.

Nas redes sociais, ele se classifica como antipolitica e rejeita ser chamado de esquerda ou direita. Ele apresenta um projeto chamado “O destravar da nação” e defende uma mudança da “mentalidade brasileira”.

Nas redes sociais, Marçal declara que “Nosso futuro não pode ser engolido pelo passado e muito menos continuar parado no tempo”.

Com informações do G1

VER MAIS

VER MAIS