Reprodução/Freepik
Reprodução/Freepik

Exportações aumentam, mas produção de carne pode cair ao menor nível em 26 anos

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou um dados com uma série de projeções na última segunda-feira, 1, e a produção de carne bovina deverá terminar o ano de 2022 com o menor patamar em mais de 20 anos, com 8,115 milhões de toneladas. No entanto, é aguardado um aumento para as exportações de carne bovina de, pelo menos 15%, sendo estimado em 2,84 milhões de toneladas. As exportações de carne de frango também devem crescer 6% neste ano e atingir um novo recorde, com 4,7 milhões de toneladas enviadas.

O levantamento da Conab indica que a expectativa é de que o consumo de carne bovina atinja o menor nível nos últimos 26 anos, com 24,8 kg consumidos para cada brasileiro neste ano. É o menor grau desde o início da série histórica, em 1996. Em 2006, a oferta per capita atingiu 42,8 kg por habitante durante o ano. A Conab cita que “A produção de carne bovina tende a manter o comportamento de redução na oferta, uma vez que a demanda no mercado interno está desaquecida”. O balanço da companhia indica que o mercado interno ficará com aproximadamente 65% da produção de carne bovina do Brasil.

CONTINUE LENDO...

Aves e suínos
A produção de aves deve se manter próxima a 15 milhões de toneladas este ano, com uma disponibilidade de 48,6 kg consumidos por cada brasileiro neste ano. No caso de suínos, é esperada a maior produção para a série histórica, sendo estimada em 4,84 milhões de toneladas, um acréscimo de cerca de 3% na oferta do produto quando comparado com o ano anterior.

A exportação de carne suína apresenta uma leve desaceleração por conta da recuperação da produção chinesa. Logo, a venda do produto para o exterior aponta uma redução de 2%, sendo estimada em pouco mais de 1 milhão de toneladas. O Brasil é um dos maiores exportadores de carne bovina e sede de gigantes do setor, como JBS, Marfrig e Minerva.

Com informações do Metrópoles

VER MAIS

VER MAIS