Reprodução/Twitter @arturohenriques
Reprodução/Twitter @arturohenriques

Médico flagra infectado com varíola dos macacos em metrô e faz alerta: ‘lesões são mais contagiosas’

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Um médico que estava no metrô de Madri, na Espanha, levou um susto ao ver um passageiro com sinais na pele iguais aos dos infectados por varíola dos macacos. Como reação, o profissional chamado Arturo Henriques decidiu tirar uma foto e então questioná-lo sobre a doença. Segundo seu relato, postado no Twitter no último sábado, o flagrante aconteceu no dia 15 de julho.


No post, ele questionou: “Quantas pessoas ele pode deixar doentes??? Não faço ideia” e disse “Agora eu vou no metrô tentando me equilibrar, sem tocar em nada, e muito menos me sentar”. Ele conta que, a princípio, não ia postar nada sobre o caso, mas depois de refletir, achou melhor explicar a história por trás daquela imagem, registrada durante o “auge do contágio” no país.

CONTINUE LENDO...

Ele descreve que “O ​​homem entra no metrô. Completamente crivado de ferimentos da cabeça aos pés, incluindo as mãos. Eu vejo a situação e também vejo as pessoas ao meu redor como se nada estivesse acontecendo. Tornei-me uma KAREN, aproximei-me do homem com prudência e questionei o que ele estava fazendo no metrô se ele tinha V (varíola) dos macacos. A resposta dele: sim. Eu tenho isso, mas minha médica não me disse que eu tinha que ficar em casa. Basta usar uma máscara”, chocado com a reação do passageiro.

O médico disse que alertou o homem sobre o perigo que suas lesões pelo corpo representava aos demais: “Disse a ele que as lesões que ele tem pelo corpo são as mais contagiosas. Que eu sou médico e que possivelmente ele não entendeu todas as indicações de sua médica de família”, relatou. Porém, o passageiro não se incomodou e não deixou o vagão, mas Depois que ele arrumou um lugar para se sentar, o médico, ainda impressionado, pergunta para uma mulher ao lado do indivíduo se ela não estava preocupada em ser contagiada, mas ela respondeu: “como vou temer se eu não sou gay? O governo disse que eram os gays que tinham que se cuidar”.

Impressionado, o profissional disse que “Cheguei ao meu destino e parei de discutir”. O tema e a declaração da mulher geraram grande polêmica e o profissional chegou a dar entrevistas para programas locais, mas as pessoas não foram identificadas.

Com informações de Antena 3

VER MAIS

VER MAIS