Igreja é acusada de homofobia por não aceitar batizar homossexual

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

No último domingo, 15, um fotógrafo acusou uma igreja presbiteriana de Aracaju, capital do Sergipe, de ter praticado homofobia contra ele por tê-lo impedido de se batizar. João Pedro Pedroso disse que o pastor da igreja se justificou dizendo que ele não poderia ser batizado por ser homossexual e casado com outro homem.

“Eu fui chamado por um líder e levado a uma sala, onde ele me informou que o pastor gostaria de falar comigo e chegando lá, ele me informou que eu não poderia ser batizado porque eu era homossexual e casado com outro homem. Sendo que toda a igreja sabia do meu relacionamento com o meu esposo, eu já frequentava a igreja há um ano. Não era novidade”, relatou o fotógrafo.

CONTINUE LENDO...

João Pedro contou que teria feito um curso preparatório e que, em nenhum momento, ele teria sido comunicado de que não poderia participar da cerimônia. O fotógrafo disse que acionou um advogado e que registrou um Boletim de Ocorrência sobre o fato.

Sobre o ocorrido, a Igreja Presbiteriana Renovada de Aracaju (IPRA) informou que um candidato ao batismo que não estiver apto a ser batizado, de acordo com as normas da igreja, não pode participar do ato batismal.

O comunicado ainda ressaltou que o aviso sobre a impossibilidade no caso de João se deu em um espaço reservado de modo a evitar qualquer tipo de constrangimento.

Com informações do Pleno News

VER MAIS

VER MAIS