🚹 Fungo de ‘The Last Of Us’ existe no Parque do Utinga, em BelĂ©m, mas serĂĄ que Ă© perigoso para humanos? Entenda

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

O fungo do videogame ‘The Last of Us’ que inspirou a famosa sĂ©rie da HBO, existe e pode ser encontrado no Parque do Utinga, em BelĂ©m.đŸ˜± O fungo do gĂȘnero ascomiceto ophiocordyceps, do tipo entomopatogĂȘnico, estava colonizando a pupa de uma de borboleta.

O fungo do gĂȘnero ascomiceto ophiocordyceps, uma espĂ©cie do fungo Cordyceps, coloniza diversos insetos. Uma vez infectado, o fungo cresce dentro do corpo do hospedeiro entre 24 a 48 horas para se alimentar e tem seu comportamento completamente afetado, alterando seus neurĂŽnios e a transformando em um “zumbi”.

CONTINUE LENDO...

O fungo do gĂȘnero ascomiceto ophiocordyceps, do tipo entomopatogĂȘnico, estava colonizando a pupa de uma de borboleta.

O registro foi realizado pelo aluno de mestrado em BotĂąnica Tropical, Arnold Patrick e pelo servidor do Ideflor-Bio (GRB), Emanuel dos Santos, apĂłs um mapeamento de quatro anos de pesquisas no Parque do Utinga, na Área de Proteção Ambiental de BelĂ©m, e no RefĂșgio da Vida Silvestre MetrĂłpole da AmazĂŽnia.

Os paraenses correm riscos?

Calma, se tratando de ficção, tudo pode acontecer. Mas na vida real, o Cordyceps funciona de maneira diferente (para o alívio de todos), jå que fungo é endoparasita de artrópodes, que não chega a contaminar mamíferos, muito menos seres humanos. Dessa forma, seus principais hospedeiros são formigas, mariposas e larvas de florestas tropicais, espécies que são facilmente encontradas no Parå.

Para diversos entomologistas, a ameaça sĂł se torna real para os seres humanos em uma combinação de transformaçÔes climĂĄticas, que causariam um aquecimento do planeta, e mudanças na alimentação das pessoas, permitindo que essas infecçÔes fĂșngicas evoluam mais rĂĄpido do que os estudos e tratamentos.

Porém, o poder de contaminação da espécie não seria igual ao que é representado na série The Last Of Us.

BenefĂ­cios do fungo zumbi

Por mais que a série retrate apenas os efeitos negativos do organismo, o Cordyceps é muito usado em tratamentos, especialmente na medicina tradicional chinesa, japonesa, coreana e indiana.

Na China, o fungo é vendido em pacotes que contém a larva e o ascoma do Cordyceps e pode ser consumido em forma de chås ou sopas.

“O registro no Parque do Utinga Ă© muito importante, a colonização desse fungo em uma pupa de borboleta, ainda Ă© pouco estudado. Essa espĂ©cie de fungo Ă© muito usada na indĂșstria farmacĂȘutica e tambĂ©m para o controle de pragas de insetos em plantaçÔes, disse o pesquisador Leandro Ferreira, coordenador do projeto “Flora do Utinga”.

The Last Of Us

A sĂ©rie conta a histĂłria do que acontece vinte anos depois que a civilização moderna foi destruĂ­da. Joel (Pedro Pascal), um sobrevivente experiente, Ă© contratado para contrabandear Ellie (Bella Ramsey), uma menina de 14 anos, para fora de uma zona de quarentena opressiva. O que começa como um pequeno trabalho logo se transforma em uma viagem brutal e dolorosa, pois os dois devem atravessar os EUA dependendo um do outro para sobreviver.”

Veja abaixo o trailer da série The Last of Us:

VER MAIS

VER MAIS

// try { // document.addEventListener("DOMContentLoaded", function() { // var bottomAds = document.getElementById("bottom-adsF");// console.log('bntt', bottomAds)// var toggleButton = document.createElement("span");// toggleButton.classList.add("toggle-view"); // toggleButton.onclick = toggleBanner; // Make sure to pass the function reference, not call it// var icon = document.createElement("i"); // icon.classList.add("fas", "fa-chevron-up"); // toggleButton.appendChild(icon); // // toggleButton.innerText = "ocultar/exibira"// bottomAds.appendChild(toggleButton);// let isVisible = false; // function toggleBanner (){ // isVisible = !isVisible; // if(isVisible){ // bottomAds.style.bottom = "0"; // }else{ // bottomAds.style.bottom = "-121px"; // } // } // toggleBanner ();// }); // } catch (error) { // console.error('Erro ao executar o cĂłdigo:', error); // }