Renascimento cultural: Palacete Pinho reabre suas portas em Belém para encantar gerações

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

O Palacete Pinho, patrimônio histórico e cultural de Belém, retomará suas atividades para o público a partir desta quinta-feira, 22. Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o edifício preserva as características arquitetônicas da Belle Époque, do Ciclo da Borracha, sendo concebido em 1897 pela família do comendador Antônio José de Pinho.

Situado na rua Doutor Assis, no bairro da Cidade Velha, o Palacete Pinho é uma testemunha centenária das transformações em Belém. Inicialmente residência, o espaço tornou-se um centro de intensa atividade social, cultural e política após sua inauguração, marcando décadas de eventos significativos na história local.

CONTINUE LENDO...

Com a morte de José de Pinho em 1930, o palacete manteve-se como residência até 1970, quando as últimas herdeiras faleceram. Sua história é entrelaçada com as famílias que contribuíram para moldar a identidade da cidade ao longo do tempo.

Idealizado pelo arquiteto Camilo Amorim, o projeto arquitetônico reflete influências de palácios portugueses e vilas italianas, destacando-se por seus três andares. Após uma restauração que demandou investimento de R$ 6 milhões, o palacete oferecerá novos espaços, como uma brinquedoteca, o salão principal, o cinema “Dira Paes”, além de áreas externas com deck e administrativas. O local abrigará o Núcleo de Artes, Cultura e Educação (Nace), uma escola de artes dedicada a música, teatro, dança, cinema e diversas manifestações artísticas.

A gestão do Palacete Pinho, antes sob responsabilidade da Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel), foi transferida para a Secretaria Municipal de Educação (Semec) por meio de decreto do prefeito Edmilson Rodrigues, datado de 16 de junho de 2023, substituindo as responsabilidades.

O Palacete Pinho, mais do que um edifício, é uma narrativa viva da trajetória de Belém através dos tempos. Ao manter suas portas abertas, assegura-se que essas histórias continuem a ser contadas, encantando não apenas as gerações presentes, mas também as futuras.

VER MAIS

VER MAIS