Sesma descarta óbito por dengue em Belém

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) informou, nesta quinta-feira, 15, que o óbito que estava em investigação, registrado pelo Ministério da Saúde, foi descartado para dengue. Segundo o último boletim epidemiológico do Departamento de Vigilância em Saúde, que corresponde até esta quinta-feira, 15, foram confirmados 127 casos de dengue em Belém neste ano. Até o momento, 307 casos foram notificados, dos quais 101 foram descartados e 79 seguem em análise. Os bairros com mais registros são Guamá 21 casos, cremação 14 casos e Coqueiro 3 casos. Não há registro de mortes. 

Desde o dia 11 de janeiro estão sendo realizados mutirões nos bairros onde há maior incidência de casos. Nesses mutirões, um número maior de imóveis recebe a visita dos Agentes de Combate a Endemias, que além de identificar os focos do mosquito e aplicar larvicidas, fazem a orientação da população para evitar acúmulo de água parada e fazer o acondicionamento correto do lixo. Além dos mutirões, essas ações são realizadas cotidianamente pelas equipes da Sesma durante todo o ano.

CONTINUE LENDO...

A Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa) informou, em nota na última terça-feira, 13, que o Pará registrou uma queda de 36,49% nos casos de dengue, nas primeiras cinco semanas de 2024. O Informe Epidemiológico 01, divulgado no dia 2 deste mês de fevereiro, indicou que foram confirmados 409 casos de dengue contra 644 no mesmo período do ano passado. Não houve morte por dengue nesse período. 

Para manter o controle dessas arboviroses no estado, a Sespa orienta os municípios a fazerem o Levantamento Rápido Aedes aegypti, que mede o Índice de Infestação Predial pelo mosquito Aedes aegypti. “A Sespa também trabalha apoiando e assessorando os 144 municípios, tendo como base os Planos de Contingência Municipais, que respaldam as ações de vigilância epidemiológica, controle vetorial e assistência”, informa a Secretaria.

VER MAIS

VER MAIS

// try { // document.addEventListener("DOMContentLoaded", function() { // var bottomAds = document.getElementById("bottom-adsF");// console.log('bntt', bottomAds)// var toggleButton = document.createElement("span");// toggleButton.classList.add("toggle-view"); // toggleButton.onclick = toggleBanner; // Make sure to pass the function reference, not call it// var icon = document.createElement("i"); // icon.classList.add("fas", "fa-chevron-up"); // toggleButton.appendChild(icon); // // toggleButton.innerText = "ocultar/exibira"// bottomAds.appendChild(toggleButton);// let isVisible = false; // function toggleBanner (){ // isVisible = !isVisible; // if(isVisible){ // bottomAds.style.bottom = "0"; // }else{ // bottomAds.style.bottom = "-121px"; // } // } // toggleBanner ();// }); // } catch (error) { // console.error('Erro ao executar o código:', error); // }