Eliesio Ataíde (esquerda), André Ataíde (centro) e Moisés Assunção (direita) - Foto: Reprodução / Redes sociais
Eliesio Ataíde (esquerda), André Ataíde (centro) e Moisés Assunção (direita) - Foto: Reprodução / Redes sociais

Suspeito de fraudar Enem em Marabá cobrava cerca de R$ 150 mil por prova, diz PF

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

O estudante de medicina André Rodrigues Ataíde, de 23 anos, alvo de uma operação que investiga fraudes no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) cobrava cerca de R$ 150 mil para realizar o exame no lugar de outros candidatos, em Marabá, no sudeste paraense, segundo informações da Polícia Federal. Conforme a apuração inicial da PF, o suspeito utilizava documentos falsos para fazer as provas no lugar de outros candidatos.

Segundo a investigação, ao menos dois candidatos teriam conseguido uma vaga em Medicina na Universidade Estadual do Pará (UEPA) por meio da fraude. A apuração ainda identificou que um dos candidatos já cursava medicina, enquanto o outro ainda não cursava devido não ter iniciado o período letivo.

CONTINUE LENDO...

“Há informações de que teria recebido algo em torno de R$ 150 mil. Isso teria sido feito em parcelas? Estamos apurando também se ele teria realizado outras provas de Enem, outras provas de concursos também, outros vestibulares”, diz o delegado Ezequias Martins, da Polícia Federal. 

Segundo a PF, um dos suspeitos de participação no esquema é Moisés Oliveira Assunção, de 25 anos, que teria contratado André para realizar a prova no seu lugar. Ele foi aprovado no curso de Medicina na Uepa, campus Marabá, ainda neste ano.

A fraude foi confirmada após a assinatura verdadeira de Moisés e a assinatura que constava nos cartões de resposta e na redação serem analisadas. Os peritos realizaram a comparação entre as caligrafias e confirmaram diferenças nas assinaturas e na forma de escrever. A investigação mostra que foi dessa maneira que o candidato atingiu a nota de 960 na redação.

Ainda segundo a investigação, foi confirmado que Moisés teria trocado mensagens com namorada por volta das 15h26, no horário da prova. No segundo dia de prova, 12 de novembro, ele voltou a trocar mensagens com a namorada novamente no horário em que deveria estar realizando a prova.

A investigação ainda aponta que em 2022, André teria cometido a fraude ao se passar por Eliesio Bastos Ataíde, de 25 anos. Segundo a reportagem do Fantástico, ele teria realizado o mesmo esquema, beneficiando Eliesio que entrou em medicina na Uepa e cursou normalmente em 2023.

Segundo a reportagem, as defesas de André e Eliesio afirmaram que os dois são amigos e reforçaram a inocência dos suspeitos. “Nós provaremos que André e Eliesio são alunos de medicina e são inocentes. Não existe recebimento pelo André de nenhuma quantia para fazer a prova em nome de terceiros”, enfatiza Diego Freires, advogado dos jovens.

Já a defesa de Moisés afirma que “quem fez a prova foi o próprio Moisés. Ele está inteiramente interessado em apoiar e cooperar com a polícia e com a Justiça Federal para que esse assunto seja o mais rápido possível solucionado”, aponta. 

Já o delegado que conduz as investigações do caso, diz que está sendo apurado “se ele teria realizado outras provas de Enem, outras provas de concursos também, outros vestibulares”, destaca Ezequias.

VER MAIS

VER MAIS