Vídeo: sete membros do CV são presos e drogas são encontradas em reboco no Pará

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Sete integrantes do Comando Vermelho (CV) foram presos, em Cachoeira do Arari, na segunda fase da “Operação Desmancha Vermelho”, da Polícia Civil, através da Superintendência do Marajó Oriental. O grupo controlava e distribuía drogas na cidade.

Segundo a PC, após a morte de Léo 41 houve uma articulação mais intensa da organização nas cidades do interior, principalmente no Marajó. Os alvos dessa operação já respondiam a outros processos por crimes de tráfico e associação ao tráfico, entre outros delitos.

CONTINUE LENDO...

A investigação apontou que após prisões em Cachoeira do Arari, os presos transferidos para o sistema penal em Belém, são recrutados pelo CV dentro do presídio para trabalhar em cargos de gerência da facção no município, distribuindo funções e comando local.

Nas investigações também foi apontado que os presos estipulavam mensalidade para cada associado e faziam um tribunal do crime para os que não seguiam as regras ou atrasavam a mensalidade imposta. Os mandados foram cumpridos no bairro do Choque e Petrópolis, ambos na zona urbana de Cachoeira do Arari. Os sete homem foram identificados como, Wagner Cesar Santos Vale (vulgo Waguinho), Edivan Leal dos Santos (vulgo Divan), Elson da Silva Nascimento (vulgo Nhoco), Edenilson Bragança Leal Rodrigues (vulgo Chegui), Jesulam Monteiro Leal (vulgo Lam) e Sidney da Silva e Silva ( vulgo CDN 14).

Durante a apreensão, drogas foram encontradas no reboco de uma parede. Entre os materiais apreendidos com o grupo, estavam 10 celulares, 19 petecas de material análago a oxi, um tablet de maconha prensada (154 gramas), 10 aparelhos móveis (celular), dois veículos automotores de duas rodas, 68 reais em notas, 13,55 em moedas, um caderno de anotação de dívidas de tráfico, três relógios, um pen drive, dois cordões e três pulseiras de material metálico.

Os presos estão a disposição da Justiça de Cachoeira do Arari, onde vão passar por audiência de custódia. As investigações continuam com os objetos apreendidos.

VER MAIS

VER MAIS

// try { // document.addEventListener("DOMContentLoaded", function() { // var bottomAds = document.getElementById("bottom-adsF");// console.log('bntt', bottomAds)// var toggleButton = document.createElement("span");// toggleButton.classList.add("toggle-view"); // toggleButton.onclick = toggleBanner; // Make sure to pass the function reference, not call it// var icon = document.createElement("i"); // icon.classList.add("fas", "fa-chevron-up"); // toggleButton.appendChild(icon); // // toggleButton.innerText = "ocultar/exibira"// bottomAds.appendChild(toggleButton);// let isVisible = false; // function toggleBanner (){ // isVisible = !isVisible; // if(isVisible){ // bottomAds.style.bottom = "0"; // }else{ // bottomAds.style.bottom = "-121px"; // } // } // toggleBanner ();// }); // } catch (error) { // console.error('Erro ao executar o código:', error); // }