Reprodução
Reprodução

Bancada feminina cresce na Câmara, mas tem queda no Senado

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

O Congresso Nacional terá a partir de 2023, uma bancada feminina menor no Senado Federal e maior na Câmara dos Deputados. O balanço decorre do número de parlamentares eleitas durante as votações ocorridas no domingo, 2, quando ocorreu o primeiro turno.

Em 2023, a bancada feminina da Câmara contará com aumento de 18% das vagas, totalizando 91 deputadas. Em 2018, ano da eleição para a atual legislatura, os brasileiros elegeram 77 parlamentares, 14 a menos do que o número de eleitas neste ano.

CONTINUE LENDO...

Em nove estados, foram as mulheres que lideraram a corrida por uma vaga na Câmara, concentrando o maior número de votos do eleitorado. São elas:

  • Bia Kicis (PL-DF), com 214.733 votos
  • Daniela do Waguinho (União-RJ), com 213.706 votos
  • Caroline de Toni (PL-SC), com 227.632
  • Natália Bonavides (PT-RN), com 157.549 votos
  • Yandra de André (União-SE), com 131.471 votos
  • Silvye Alves (União-GO), 254.653 votos
  • Alessandra Haber (MDB-PA), com 258.907 votos
  • Socorro Neri (PP-AC), com 25.842 votos
  • Detinha (PL-MA), com 161.206 votos

Apesar do crescimento, o desempenho ainda é baixo, se compararmos o percentual de representatividade entre homens e mulheres. Das 513 cadeiras da Câmara, apenas 17,7% serão ocupadas por mulheres. Hoje, essa representação corresponde a, apenas, 15% do total.

Senado tem queda

Em contrapartida, o Senado Federal terá menos mulheres durante os próximos anos. Atualmente, a Casa Alta do Congresso Nacional contabiliza 10 senadoras titulares. Desse total, seis irão se manter no cargo até 2027.

Elas se somam a quatro parlamentares eleitas neste ano: Damares Alves (Republicanos-DF), Professora Dorinha (União-TO), Teresa Leitão (PT-PE) e Tereza Cristina (PP-MS). Elas conseguiram, cada, uma das 27 vagas em disputa.

Em 2018, quando havia 54 cadeiras disponíveis, foram sete senadoras eleitas.

O número, contudo, pode aumentar, caso Jorginho Mello (PL), que é senador, consiga se eleger governador por Santa Catarina. Assim, a suplente Ivete da Silveira (MDB-SC) assumiria o cargo, aumentando para 11 o número de mulheres.

Com informações do Metrópoles

VER MAIS

VER MAIS

// try { // document.addEventListener("DOMContentLoaded", function() { // var bottomAds = document.getElementById("bottom-adsF");// console.log('bntt', bottomAds)// var toggleButton = document.createElement("span");// toggleButton.classList.add("toggle-view"); // toggleButton.onclick = toggleBanner; // Make sure to pass the function reference, not call it// var icon = document.createElement("i"); // icon.classList.add("fas", "fa-chevron-up"); // toggleButton.appendChild(icon); // // toggleButton.innerText = "ocultar/exibira"// bottomAds.appendChild(toggleButton);// let isVisible = false; // function toggleBanner (){ // isVisible = !isVisible; // if(isVisible){ // bottomAds.style.bottom = "0"; // }else{ // bottomAds.style.bottom = "-121px"; // } // } // toggleBanner ();// }); // } catch (error) { // console.error('Erro ao executar o código:', error); // }