Divulgação
Divulgação

Antônio de Oliveira, Elói Iglesias e Belém de Belém celebram o Norte e lançam ‘Eu Quero Ver No Pará’

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Inspirado nas ruas de Belém nos domingos de junho e a praia de Ajuruteua, em Bragança, os músicos Antônio de Oliveira, Elói Iglesias e Belém de Belém lançaram na última sexta-feira, 24, o single “Eu Quero Ver no Pará”, apresentado por Natura Musical.

A faixa do novo álbum anunciado por Antônio de Oliveira é um convite para dançar “mesmo sem saber, mesmo sem par”, diz o compositor, enfatizando que “Queria uma música que despertasse no imaginário um passeio, pelas ruas da minha cidade, pelas noites de bailes da saudade, e que também fosse um chamado para olhar rumo à direção Norte, para a Amazônia”, comenta Antônio.

CONTINUE LENDO...

“Eu Quero Ver no Pará” é o segundo single do novo álbum do artista, com previsão de lançamento para julho de 2024. O projeto foi selecionado pelo edital Natura Musical, por meio da lei estadual de incentivo à cultura do Pará (Semear), ao lado de nomes como Anna Suav e Bruna BG, Bando Mastodontes, Chico Malta, Circuito Mangueirosa, Liège, Metaleiras da Amazônia, Lucas Estrela e Thais Badu. No Estado, a plataforma já ofereceu recursos para mais de 80 projetos até 2022, em diferentes formatos e estágios de carreira, como Dona Onete, Raidol, Nic Dias e os festivais Mana, Lambateria e Psica.

Antônio de Oliveira assina a composição da faixa junto ao conterrâneo Felipe Cordeiro, com produção musical do paulista e ex-baixista de Gal Costa, Lucas Martins.

Segundo Antônio, a proposta da nova fase da carreira, que marca um retorno à música, é juntar às raízes fincadas na música nortista moldes ainda mais dançantes, sem deixar a politização nos versos, vislumbrando estourar a bolha para fora da região. “Eu faço música sobre o que eu quero gritar, e essa música fala de um chamado a olhar rumo à direção Norte, que é onde estão minhas origens, minhas inspirações no fazer artístico, e é onde eu penso que agora o negócio tem que acontecer, é o lugar por onde quero seguir forte”.

“Fui criado dentro do fenômeno cultural paraense que é o Arraial do Pavulagem, e dentro desse imaginário de cores e dança vive a inspiração para essa canção e para todo o novo álbum que está por vir”.

VER MAIS

VER MAIS

// try { // document.addEventListener("DOMContentLoaded", function() { // var bottomAds = document.getElementById("bottom-adsF");// console.log('bntt', bottomAds)// var toggleButton = document.createElement("span");// toggleButton.classList.add("toggle-view"); // toggleButton.onclick = toggleBanner; // Make sure to pass the function reference, not call it// var icon = document.createElement("i"); // icon.classList.add("fas", "fa-chevron-up"); // toggleButton.appendChild(icon); // // toggleButton.innerText = "ocultar/exibira"// bottomAds.appendChild(toggleButton);// let isVisible = false; // function toggleBanner (){ // isVisible = !isVisible; // if(isVisible){ // bottomAds.style.bottom = "0"; // }else{ // bottomAds.style.bottom = "-121px"; // } // } // toggleBanner ();// }); // } catch (error) { // console.error('Erro ao executar o código:', error); // }