Renato Reis
Renato Reis

Natura Musical apresenta show de lançamento de ‘Brinquedo’, de Pio Lobato

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Natura Musical apresenta show de lançamento do álbum “Brinquedo”, de Pio Lobato. O som das folhas depois da chuva – A porruda, braba e astuta, atinge o corpo por dentro no show especial de lançamento de “Brinquedo”. Pela primeira vez em formação duo, guitarra e bateria, Pio e vovô (Clenilson Almeida) apresentam melodias, arranjos e harmonias em formato de passeio pelos lados do vinil. Eles que tocaram em projetos como Cravo Carbono, Mestres da Guitarrada, Mestre Vieira, Terruá Pará e hoje se apresentam ao lado da rainha do carimbó chamegado, Dona Onete, e banda Massa Grossa, comandada pelo próprio Vovô Batera, somaram ao longo de décadas de trabalhos juntos uma conexão musical fascinante que pela primeira vez será apresentada em dupla.

Brinquedo que brinca por si, por mim, por ti e por nós será imperdível!

CONTINUE LENDO...

Dia 29 de Setembro, às 20h, no Núcleo de Conexões do Ná Figueredo com discotecagens do DJ AzuL!

Sobre Pio Lobato

A primeira participação de Pio Lobato em uma banda foi na virada da década de 1980 para os anos noventa. Era o guitarrista de um dos poucos grupos paraenses naqueles idos a abraçar o então menosprezado rock progressivo. Os ‘Anjos do Abismo’ flertavam com a sonoridade nascida das mãos virtuosas de, entre outros, Yes; Pink Floyd; Genesis e Emerson, Lake and Palmer. Os Anjos não conheceram o paraíso musical da cena paraense, mas a banda foi uma primeira escola para o imberbe guitarrista que começava a chamar a atenção pela disciplina e rigor em busca da perfeição.

Quando Pio Lobato voltou a chamar a atenção já era uma das cabeças pensantes da banda Cravo Carbono, na metade dos anos 90. O mundo musical já havia sido sacudido pelo fenômeno grunge em terras gringas e pelo manguebeat recifense em terras brasilis. Em seus primórdios o Cravo flertava com um som funkeado, algo similar ao que Andy Gill fizera no auge do pós-punk com a Gang of Four.

Até que um dia Pio Lobato veio com a ideia de fazer um ‘boi’. Meio receoso a respeito da recepção que teria, mostrou a levada em riff do que viria a ser ‘Ver o Peso’, hino máximo da banda que renovou a música pop paraense. ‘Ver o Peso’ unia o peso da guitarra com células percussivas das toadas de boi. Era um dos ‘recados a Lúcio Maia’, guitarrista da Nação Zumbi, enviados por Pio Lobato.

Paralelo a esse prolífico período no Cravo Carbono, Pio Lobato começou a engendrar um mergulho em ritmos paraenses como a guitarrada. Foi nesse momento que ganhou prestígio maior e passou a ser considerado um dos grandes nomes da música contemporânea paraense.

Pio Lobato e guitarrada passaram a ser quase sinônimos em algumas rodas musicais. Os primeiros discos solo flertavam com esse ritmo, mas também se impregnavam de experimentações com o tecnobrega e as chamadas tecnoguitarradas. Mas aqui e ali Pio Lobato lembrava que sua música não era restrita apenas a isso. No disco ‘Café’, por exemplo, estava incrustada a zeppeliana ‘Tema do hippie velho’, que não faria feio no terceiro disco da banda do guitarrista Jimmy Page.

Afinal, sempre é bom lembrar que, ao lado de Mestre Vieira, ícone da guitarrada, Pio teve como guias também os guitarristas Steve Howe (Yes), Robert Fripp (King Crimson) e Jimmy Page (Led Zeppelin). O rock e os ritmos regionais não se conflitam em Pio Lobato. E o rock progressivo, fonte inicial, aparece quase sempre canibalizado e regurgitado com a sonoridade universalmente paraense inserida pelo guitarrista. “É como se fosse um progressivo caboclo”, tenta explicar Pio Lobato. Não que ele goste de definições ‘encaixotantes’ da música. Mas entende a necessidade de ‘explicações’. Só que, independente disso, a música sempre fala mais alto.

É o que ele volta a lembrar que o ‘Brinquedo’. É patrocinado pelo programa de fomentos cultural Natura Musical, e este álbum de Pio Lobato equilibra-se de forma igualitária entre as nuances da música regional com as tinturas de rock progressivo, folk rock e power trios típicos dos anos 1970. O resultado é instigante. E agrada tribos diversas.

“Respeito o Pio Lobato desde os anos 90, quando ele começou a fazer essa transição do rock com o regional numa linha mais experimental. E isso de um jeito que só ele conseguiu fazer por essas bandas paraenses de forma tão interessante”, diz Jaime ‘Katarro’ Neto, vocalista da banda punk crossover Delinquentes.

“Acho ele incrível. Não tem como fugir dessa avaliação. O Pio passeia com muita maestria pelo rock (mesmo ele dizendo que não) e funde isso com a música tradicional como a guitarrada. Isso não é qualquer um que faz. Às vezes é um timbre muito específico que só alguém muito sensível e atento percebe. E ele faz isso de forma muito consciente”, diz a cantora paraense Gláfira.

“É um trabalho importante por lidar com nossa identidade cultural”, resume o percussionista Kleber Benigno, o Paturi, integrante do Trio Manari, grupo também fundamental para se entender a busca entre a regionalidade e o universalismo musical paraense.

Em “Brinquedo”, Pio Lobato se baseou nas ‘bolachas’ setentistas. Como se dividido em dois lados. De um lado, uma ‘suíte’ de 18 minutos, batizada de ‘Suíte de brinquedo”, que antes levava ‘de brincadeira’, o nome de ‘Purruda’, uma expressão ribeirinha paraense que significa ‘muito grande’ e do outro, três canções variadas entre si. O lado mais ‘normal’, digamos assim, tem ‘Ladainha’, ‘Derrapada’ e ‘Casa Velha’, que por sinal ganhou clip realizado pelas produtoras Montagem Paralela e Equipe Reduzida.

‘Casa Velha’ é um flerte com a canção pop solar, quase um folk rock que poderia ter saído dos mineiros do Clube da Esquina, ou mesmo do falecido guitarrista Marco Antônio Araújo, extraordinário músico mineiro morto aos 26 anos na década de 1980. A guitarra limpa muda o fraseado e traz de volta os primeiros influenciadores de Pio Lobato, como o dedilhado de Alex Lifeson, do Rush.

‘Ladainha’ é uma das que mais impressionam à primeira audição. Usa a batida percussiva típica das canções praieiras religiosas, tão comuns no litoral do nordeste paraense. Mântrica e hipnótica, é onde Pio Lobato mostra para que lado está indo parte de seu interesse musical.

‘Derrapada’ faz com que Pio Lobato exercite o perfil musical dos power trios. Tem ecos de Rush, embora a sonoridade final se afaste muito do produzido pela banda canadense- e nem poderia ser diferente-, mas há a influência nítida.

E resta ‘Suíte de Brinquedo”. São quase vinte minutos de um som que une essas duas pontas. A do rock feito a partir de retalhos de ritmos regionais fragmentados, pontas soltas unidas na cabeça do guitarrista, quase como os Beatles fizeram em grande parte do Abbey Road, em 1969.  Dividida em oito partes, com temas como ‘lundu’, ‘batuque’ e ‘3 por 4’, por exemplo, ‘Suíte de Brinquedo’ é onde se poderia facilmente se chegar ao tal progressivo caboclo definido por Pio Lobato.

“O Pio tem essa coisa de ciclos e esses momentos sempre significaram uma espécie de apontar caminhos musicais para quem vem depois ou é contemporâneo dele”, afirma o antigo parceiro de Cravo Carbono Lázaro Magalhães. Letrista e vocalista, Lázaro Magalhães é um dos que defendem a ideia de ter sido o guitarrista o responsável por muito do que depois veio a ser uma música pop paraense reconhecida mundo afora. “Ele sempre abriu caminhos de vanguarda”, garante.

“Brinquedo” passou por várias mudanças, inclusive de conceito. O projeto gráfico minimalista do disco criado por Edvaldo Souza, com fotos em preto e branco de Thiago Silveira, já indica o direcionamento voltado a um tempo outro para o músico. É a infância ribeirinha, ao ‘rés’ do asfalto da cidade grande. Caminhos que se bifurcam num estado onde as águas dominam os caminhos, mas parecem o tempo todo chocar-se com a violenta e desordenada urbanização. Há sempre um quê de cosmopolitismo e provincianismo na Belém paraense.

Outra coisa a chamar a atenção é a inserção de textos-poemas de Guaracy Brito, um guia a mais no caminho traçado por Pio Lobato, mostrando também que é um disco de parcerias, seja da coprodução musical de Leo Chermont, ou na participação luxuosa do baixo de Camila Barbalho e no violão de Ziza Padilha ou na percussão e sampler de voz do ‘Manari’ Nazaco Gomes.

Mas nada disso teria tanto sentido não fosse a participação decisiva do baterista Vovô. Parceiro de longa data do guitarrista, Vovô assume uma importância tão grande nesse novo trabalho que não seria errado dizer que o disco poderia ser atribuído a Pio Lobato e ao baterista. As ideais fragmentadas trazidas pelo guitarrista foram amarradas por Vovô, que costurou tudo misturando células percussivas de toadas, carimbós, lundus, entre outros ritmos. São quase imperceptíveis, mas é justamente daí que é possível admirar o trabalho feito pelo baterista. O disco é a sentença definitiva de que Pio Lobato ainda prefere o risco ao lugar comum das coisas já feitas e vividas. Ou como diz o texto de Guaracy: “montar feito brinquedo/a gente grande, a gente pequena/ com as peças que se escuta/curvar o tempo, fácil”.

Sobre Natura Musical

“Pio Lobato – Brinquedo” foi selecionado pelo edital Natura Musical, por meio da lei estadual de incentivo à cultura do Pará (Semear), ao lado de nomes como Bruno BO, Guitarrada das Manas, Antônio de Oliveira, Arraial do Pavulagem, Nic Dias, Sumano MC, Festival MANA, Circuito Mangueirosa e Mestras do Pará, por exemplo. No Estado, a plataforma já ofereceu recursos para mais de 69 projetos até 2020, como Manoel Cordeiro, Dona Onete, Pinduca, Felipe Cordeiro e Thaís Badu.

“O futuro que queremos construir é coletivo. Ele passa por momentos de tensão, mas, com a música, somos capazes de chegar a um lugar comum, respeitando a diversidade. Os artistas, bandas e projetos de fomento à cena selecionados por Natura Musical trazem a mensagem de que o futuro pode ser mais bonito com a música e com envolvimento de cada um de nós”, afirma Fernanda Paiva, Head of Global Cultural Branding.

Natura Musical é a plataforma de cultura da marca Natura. Desde seu lançamento, em 2005, o programa investiu cerca de R$ 174,5 milhões no patrocínio de mais de 518 projetos – entre trabalhos de grandes nomes da música brasileira, lançamento e consolidação de novos artistas e projetos de fomento às cenas e impacto social positivo. Os trabalhos artísticos renovam o repertório musical do País e são reconhecidos em listas e premiações nacionais e internacionais. Em 2020, o edital do Natura Musical selecionou 43 projetos em todo o Brasil e promoveu mais de 300 produtos e experiências musicais, entre lançamentos de álbuns, clipes, festivais digitais, oficinas e conferências. Em São Paulo, a Casa Natura Musical se tornou uma vitrine permanente da música brasileira, com uma programação contínua de lives, performances, bate-papos e conteúdos exclusivos, agora digitalmente.

Ficha técnica

Guitarra: Pio Lobato

Bateria: Vovô

Baixo: Camila baralho

Participações especiais

Percussão:  Nazaco Gomes (Manari)

Violão: Ziza Padilha

Coprodutor: Leo Chermont no Floresta Sonora

Mixado por Assis Figueiredo no APCE Studio

Masterizado por Carlos Freitas, Classic Master (SP)

VER MAIS

VER MAIS

// try { // document.addEventListener("DOMContentLoaded", function() { // var bottomAds = document.getElementById("bottom-adsF");// console.log('bntt', bottomAds)// var toggleButton = document.createElement("span");// toggleButton.classList.add("toggle-view"); // toggleButton.onclick = toggleBanner; // Make sure to pass the function reference, not call it// var icon = document.createElement("i"); // icon.classList.add("fas", "fa-chevron-up"); // toggleButton.appendChild(icon); // // toggleButton.innerText = "ocultar/exibira"// bottomAds.appendChild(toggleButton);// let isVisible = false; // function toggleBanner (){ // isVisible = !isVisible; // if(isVisible){ // bottomAds.style.bottom = "0"; // }else{ // bottomAds.style.bottom = "-121px"; // } // } // toggleBanner ();// }); // } catch (error) { // console.error('Erro ao executar o código:', error); // }