De volta ao Parazão Sub-17, Paysandu vai encarar o Castanhal nas semis

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

O Paysandu Sport Club informa que o Tribunal de Justiça Desportiva do Pará (TJD/PA) acatou o pedido do seu Departamento Jurídico e decretou o imediato retorno do time masculino de futebol bicolor no Campeonato Paraense sub-17.

A competição havia sido suspensa com base em inúmeros prints que revelaram a possível manipulação do resultado da partida disputada entre Cabanos e Tuna Luso, válida pela sexta rodada segunda fase. Segundo as documentações apresentadas ao Tribunal pelo Departamento Jurídico do Clube, a comissão técnica do Cabanos confessou que optou por favorecer a Tuna Luso, com o objetivo de não permitir classificação do Paysandu à semifinal.

CONTINUE LENDO...

Um jogador do Cabanos, através de suas redes sociais, criticou a conduta da comissão técnica e informou que decidiu deixar o clube após o episódio. Outros jogadores, através de áudios de WhatsApp, informaram que foram deixados no banco de reservas em virtude de não terem concordado pela manipulação de resultado. Informaram, ainda, que o time titular era composto apenas por aqueles que concordaram com a referida manipulação.

A equipe vai disputar duas partidas contra o Castanhal pelas semifinais da competição. A ida será nesta quinta-feira, 21, às 15h30, no campo dois do Centro Esportivo da Juventude (Ceju), e a volta no sábado, 23, no mesmo horário, no CT do adversário.

A tese impugnatória do Departamento Jurídico do Paysandu, que foi acatada pelo TJD, cria um precedente histórico de combate à manipulação de resultados a nível regional, em um cenário onde as categorias de base precisam dar exemplos éticos aos jogadores em formação.

O clube rechaça veementemente a prática de condutas antiéticas e antidesportivas, primando sempre pela lisura das competições e a formação educacional de seus atletas.

No julgamento, o Paysandu foi representado pela banca advocatícia do escritório Jacob & Dib Taxi Advocacia através dos advogados Felipe Jacob e Vinícius Alves, que fizeram sustentação oral e participaram de todo o julgamento.

VER MAIS

VER MAIS

// try { // document.addEventListener("DOMContentLoaded", function() { // var bottomAds = document.getElementById("bottom-adsF");// console.log('bntt', bottomAds)// var toggleButton = document.createElement("span");// toggleButton.classList.add("toggle-view"); // toggleButton.onclick = toggleBanner; // Make sure to pass the function reference, not call it// var icon = document.createElement("i"); // icon.classList.add("fas", "fa-chevron-up"); // toggleButton.appendChild(icon); // // toggleButton.innerText = "ocultar/exibira"// bottomAds.appendChild(toggleButton);// let isVisible = false; // function toggleBanner (){ // isVisible = !isVisible; // if(isVisible){ // bottomAds.style.bottom = "0"; // }else{ // bottomAds.style.bottom = "-121px"; // } // } // toggleBanner ();// }); // } catch (error) { // console.error('Erro ao executar o código:', error); // }