Lateral do Paysandu é suspenso por 30 dias acusado de participar da ‘Máfia das Apostas’

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

O presidente em exercício do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Felipe Bevilacqua, determinou nesta terça-feira, 1, a suspensão preventiva de 12 atletas por suspeita de manipulação de resultados no futebol brasileiro. Entre os jogadores afastados está o lateral-direito Nino Paraíba, que assinou recentemente com o Paysandu Sport Club e estreou no último domingo, 30, no empate do Papão em 1 a 1 com o América-RN.

Nino Paraíba confessou em depoimento que ganhou dinheiro para levar cartão amarelo em três partidas do Brasileirão 2022, mas concordou em ser testemunha do caso e assinou um acordo de cooperação com o Ministério Público de Goiás para não ser acusado.

CONTINUE LENDO...

Nino e os outros 11 jogadores ficarão sem atuar por 30 dias até que o caso seja julgado no STJD. A denúncia da Procuradoria do STJD teve como base as provas colhidas pelo Ministério Público de Goiás na Operação Penalidade Máxima. Todos se tornaram réus na Justiça de Goiás.

O presidente em exercício do STJD justifica a decisão alegando que “as violações e os prejuízos ao desporto, sua repercussão, são graves o suficiente para justificar a medida excepcional de suspensão preventiva dos denunciados”.

Segue a lista dos atletas suspensos:

Severino de Ramos Clementino da Silva (Nino Paraíba), atleta do Paysandu-PA;

Bryan Jahir García Realpe (“Bryan”), atleta profissional que teve como último clube no Brasil o Athletico Paranaense-PR;

Diego Porfírio da Silva (“Diego”), atleta do Desportivo Aliança-AL;

Alef Mangueira Severino Pereira (“Alef Manga”), atleta do Coritiba-PR;

Vitor Mendes Alves (“Vitor Mendes”), atleta do Atlético Mineiro-MG;

Sávio António Alves (“Sávio Alves”), atleta profissional que teve como último clube no Brasil o Goiás-GO;

Pedro Henrique Azevedo Pereira (“Pedrinho”), atleta profissional que teve como último clube no Brasil o Athletico Paranaense-PR;

Sidcley Ferreira Pereira (“Sidcley”), atleta profissional que teve como último clube no Brasil o Cuiabá-MT;

Thonny Anderson da Silva Carvalho (“Thonny Anderson”), atleta do ABC-RN;

Jesús Emiliano Trindade Flores (“Jesús”), atleta profissional que teve como último clube no Brasil o Coritiba-PR;

Adailson Freire Pereira da Silva (“Dadá Belmonte”), atleta do América-MG;

Igor Aquino da Silva (“Igor Cárius”), atleta do Sport-PE.

A reportagem solicitou um posicionamento do Paysandu Sport Club sobre o caso e aguarda retorno.

VER MAIS

VER MAIS

// try { // document.addEventListener("DOMContentLoaded", function() { // var bottomAds = document.getElementById("bottom-adsF");// console.log('bntt', bottomAds)// var toggleButton = document.createElement("span");// toggleButton.classList.add("toggle-view"); // toggleButton.onclick = toggleBanner; // Make sure to pass the function reference, not call it// var icon = document.createElement("i"); // icon.classList.add("fas", "fa-chevron-up"); // toggleButton.appendChild(icon); // // toggleButton.innerText = "ocultar/exibira"// bottomAds.appendChild(toggleButton);// let isVisible = false; // function toggleBanner (){ // isVisible = !isVisible; // if(isVisible){ // bottomAds.style.bottom = "0"; // }else{ // bottomAds.style.bottom = "-121px"; // } // } // toggleBanner ();// }); // } catch (error) { // console.error('Erro ao executar o código:', error); // }