Estudo sugere uso de antibiótico como pílula do dia seguinte para ISTs; entenda

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade Paris Cité, na França, mostra novas evidências de que um antibiótico comum poderia ser usado como uma pílula do dia seguinte para prevenir infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) entre homens que fazem sexo com outros homens e mulheres trans. A ação da pílula seria diferente em sexo entre homens e mulheres.

A doxiciclina, um antibiótico originalmente indicado para a prevenção da malária e tratamento de pneumonia bacteriana, acne e rosácea, teria ação contra a clamídia, a sífilis e a gonorreia, esta última com menor eficácia.

CONTINUE LENDO...

A descoberta foi apresentada pelos cientistas na Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas de Seattle, nos EUA, em fevereiro. Os resultados dão suporte a estudos anteriores que mostraram resultados semelhantes.

Os pesquisadores destacam que, embora os preservativos ofereçam ótima proteção contra as infecções, estes nem sempre são usados nos relacionamentos, fazendo com que outras medidas sejam necessárias.

Resultados diferentes

O estudo teve a participação de 232 homens inscritos anteriormente em uma pesquisa sobre prevenção do HIV e 449 mulheres cisgênero de Kisumu, no Quênia, que tomavam pílulas diárias para a prevenção do HIV. Eles foram orientados a tomar o comprimido até três dias após a relação sexual desprotegida.

Entre os homens, houve uma redução de 84% do risco de contrair clamídia ou sífilis em comparação aos voluntários do grupo de controle e queda de aproximadamente 50% para as chances de desenvolver gonorreia.

As mulheres cisgênero, que se identificam com o sexo biológico com o qual nasceram, não obtiveram os mesmos benefícios. Os autores do estudo sugerem que as diferenças nos resultados podem estar relacionadas às diferenças entre a metabolização do antibiótico em homens e mulheres ou à alta prevalência de bactérias resistentes a antibióticos no Quênia. A realização de mais estudos é necessária.

Com informações do Metrópoles

VER MAIS

VER MAIS

// try { // document.addEventListener("DOMContentLoaded", function() { // var bottomAds = document.getElementById("bottom-adsF");// console.log('bntt', bottomAds)// var toggleButton = document.createElement("span");// toggleButton.classList.add("toggle-view"); // toggleButton.onclick = toggleBanner; // Make sure to pass the function reference, not call it// var icon = document.createElement("i"); // icon.classList.add("fas", "fa-chevron-up"); // toggleButton.appendChild(icon); // // toggleButton.innerText = "ocultar/exibira"// bottomAds.appendChild(toggleButton);// let isVisible = false; // function toggleBanner (){ // isVisible = !isVisible; // if(isVisible){ // bottomAds.style.bottom = "0"; // }else{ // bottomAds.style.bottom = "-121px"; // } // } // toggleBanner ();// }); // } catch (error) { // console.error('Erro ao executar o código:', error); // }