Governo lança aplicativo para bloquear celular roubado; veja como funciona

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

O governo o aplicativo “Celular Seguro” nesta terça-feira, 19. O sistema ficará disponível para uso nas plataformas Google Play e App Store. Mas, por enquanto, ainda não está em operação. 

Para utilizar o “Celular Seguro”, o usuário precisará baixar o aplicativo no celular, realizar previamente um cadastro e registrar ocorrência de roubo. Dessa forma, será possível bloquear o telefone furtado assim que o usuário tiver acesso a outro aparelho celular. 

CONTINUE LENDO...

Há ainda possibilidade de cadastrar uma pessoa de confiança, para que ela possa bloquear por conta própria o celular do usuário furtado ou roubado. O objetivo da ação é realizar o bloqueio de forma mais rápida e impedir que o ladrão tenha acesso aos dados da pessoa.

Veja como funciona

  1. Instale o aplicativo “Celular Seguro” nas plataformas Google Play ou App Store; 
  2. Faça o login utilizando a conta gov.br (o usuário deve inserir o CPF e a senha);
  3. Ao entrar no aplicativo, o usuário deve se ater aos termos de privacidade e concordar com os termos;
  4. Na página inicial, o responsável por realizar o cadastro pode: indicar uma pessoa de confiança; registrar um número de telefone; ou registrar ocorrência.

Como cadastrar pessoa de confiança? 

Logo após acessar o aplicativo “Celular Seguro” com os dados de login, o usuário deverá preencher o cadastro da pessoa de confiança com o nome, CPF, telefone, e-mail.

Como registrar um telefone? 

Para cadastrar o telefone na plataforma, o usuário deve clicar em “registrar telefone”. É importante saber que a pessoa não tem quantidade limite de dispositivos para cadastrar, porém, todos os aparelhos devem estar inscritos com o CPF do usuário. 

Como registrar uma ocorrência?

Quando o usuário estiver com todos os dados e a pessoa de confiança cadastrada, em caso de roubo, deverá preencher os critérios: 

  • Data; 
  • Tipo de situação; 
  • Hora; 
  • Estado; 
  • Cidade; 
  • Clicar em “emitir”. 

Ao final da denúncia, será gerado um protocolo para o usuário acompanhar o andamento com as instituições cadastradas 

Com informações do G1

VER MAIS

VER MAIS

// try { // document.addEventListener("DOMContentLoaded", function() { // var bottomAds = document.getElementById("bottom-adsF");// console.log('bntt', bottomAds)// var toggleButton = document.createElement("span");// toggleButton.classList.add("toggle-view"); // toggleButton.onclick = toggleBanner; // Make sure to pass the function reference, not call it// var icon = document.createElement("i"); // icon.classList.add("fas", "fa-chevron-up"); // toggleButton.appendChild(icon); // // toggleButton.innerText = "ocultar/exibira"// bottomAds.appendChild(toggleButton);// let isVisible = false; // function toggleBanner (){ // isVisible = !isVisible; // if(isVisible){ // bottomAds.style.bottom = "0"; // }else{ // bottomAds.style.bottom = "-121px"; // } // } // toggleBanner ();// }); // } catch (error) { // console.error('Erro ao executar o código:', error); // }