Natura &Co América Latina anuncia redução na emissão de gases de efeito estufa

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Três anos após o lançamento, a companhia atualiza seus compromissos diante de um cenário global que demanda ações mais contundentes para proteger a biodiversidade, garantir renda digna e investimentos em práticas regenerativas.

Entre as novidades, os destaques são: Ajustes nas metas de carbono para se adequar às premissas definidas pelo SBTI. Com isso, o compromisso se torna zerar as emissões líquidas de gases de efeito estufa nos escopos 1, 2 e descarbonizar 42% de nossa cadeia de valor até 2030 para o escopo 3; com a priorização da aquisição de créditos em projetos na Amazônia, prioritariamente das comunidades agroextrativistas; Aumentar em quatro vezes as compras de insumos da sociobioeconomia amazônica (em relação a 2020); Estabelecimento de 25% de pessoas negras em cargos gerenciais no Brasil até 2025 e 30% até 2030; Aumentar o IDH de 4 milhões de Consultoras de Beleza em sua Visão 2030; Empresa ainda adota uma abordagem ousada ao mensurar impacto socioambiental, visando gerar $4 de impacto positivo para cada $1 de receita.

CONTINUE LENDO...

Contribuir com a conservação e regeneração de 3 milhões de hectares de floresta amazônica, alcançar pelo menos 95% de ingredientes renováveis ou de origem natural na fórmula de produtos e aumentar o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-CN) de 4 milhões de Consultoras de Beleza são algumas das metas que Natura &Co América Latina anuncia na atualização da sua Visão 2030, batizada de Compromisso com a Vida.

“Para América Latina, a nova versão da Visão 2030 propõe enfrentar de forma corajosa algumas das questões que mais impactam o Brasil e os países hispânicos nos quais operamos, como a perda da biodiversidade e o desmatamento, a violação dos direitos humanos – mas também temas globais, como a crise climática”, afirma o presidente da Natura e CEO de Natura &Co América Latina, João Paulo Ferreira.

O executivo explica que também está entre as metas estender o número de comunidades agroextrativistas parceiras de 41 para 45, aumentar em quatro vezes as compras de insumos da sociobiodiversidade amazônica e atuar em suas cadeias críticas de fornecimento de matérias primas para torná-las 100% livres de desmatamento e pela conversão da vegetação nativa. Natura &Co América Latina se compromete ainda a zerar as emissões líquidas de gases do efeito estufa (net zero) de sua operação em toda a região, meta compartilhada também pelas outras unidades de negócio da holding.

Outro pilar de atuação é o de circularidade das fórmulas. Natura &Co América Latina assume a ambição de ter, para todas as marcas, pelo menos 95% de fórmulas biodegradáveis e 100% de novas fórmulas com pegada ambiental mais baixa.

Dentre as metas relacionadas à defesa dos direitos humanos, um dos destaques se refere à rede mais ampla de relacionamento na região. Um dos nossos compromissos é o de aumentar em 10% o índice de desenvolvimento humano das Consultoras de Beleza, além de melhorar o progresso social das comunidades agroextrativistas, gerando impactos mensuráveis em renda digna, saúde e bem-estar, educação e cidadania. Natura &Co América Latina também assume o compromisso de ter 25% de pessoas negras em cargos gerenciais no Brasil a partir de 2025 – e 30% a partir de 2030.

Ancorada no princípio de que o valor gerado por um negócio deve ir além dos indicadores financeiros convencionais, a Natura & Co América Latina adotou uma perspectiva ainda mais audaciosa na determinação do IP&L (ferramenta de gestão integrada). Esse instrumental de gestão, atualmente já empregado pela marca Natura, não apenas quantifica resultados financeiros, mas também mensura o impacto das atividades empresariais nas esferas ambiental, social e humana. Na atual etapa, o desafio abraçado consiste em gerar um impacto socioambiental positivo mensurável de US$ 4 para cada US$ 1 de receita para toda a unidade de negócios. Em 2022, a marca Natura atestou que, para cada R$1 de receita auferida, proporcionou um impacto socioambiental positivo de R$2,7.

A revisão do documento garante que, dentro dos três pilares estratégicos originais, as metas gerais sejam mantidas e seguidas por todas as unidades do grupo, abarcando os avanços recentes nas iniciativas socioambientais globais. Um exemplo é a meta de descarbonização em linha com as métricas baseadas na ciência.

Outra motivação para se estabelecer escopos mais focados na geografia foram os resultados animadores em todas as frentes já obtidos pela Visão 2030 da empresa. “Com nosso trabalho de mobilização pela Amazônia, buscamos elevar o nível de consciência dos brasileiros em defesa da floresta ao levar o tema para o Rock In Rio e para o debate eleitoral. Já nos temas de diversidade, equidade e inclusão, destacamos que a participação de mulheres na liderança atingiu 51,8% na América Latina, além de praticamente zeramos as diferenças inexplicáveis em relação a pagamentos equitativos por gênero e raça. O IDH das Consultoras cresceu 3,6% em 2022, o maior aumento já registrado desde a sua criação. No pilar de circularidade, superamos nossas metas de reincorporação de resíduos pós-consumo em nossas embalagens”, detalha Ferreira.

Ao almejar ambições específicas para a região, Natura &Co América Latina também reforça a potência que a região representa para os negócios, principalmente após a chegada de Avon. Atualmente, as operações das marcas do grupo estão em 15 países latinos. Até o fim de 2022, elas envolviam mais de 4 milhões de Consultoras de Beleza comercializando produtos por meio da venda direta, cerca de 900 lojas próprias e franqueadas, 16 mil colaboradores, cinco fábricas e 19 centros de distribuição.

VER MAIS

VER MAIS