Reprodução
Reprodução

Pena de morte existe no Brasil? Saiba qual situação pode ocorrer

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A possível condenação à pena de morte da jovem paraense Manuela Vitória de Araújo Farias, presa há três meses por tráfico de drogas na Indonésia, trouxe à tona o assunto. A pena de morte é adotada em vários países e estados ao redor do mundo. No entanto, no Brasil é possível que a execução ocorra?

Segundo o advogado criminalista especialista em Tribunal do Júri, Cândido Júnior, há previsão da pena no Brasil, mas apenas em um caso específico.

CONTINUE LENDO...

“O inciso 47, do artigo 5º, da Constituição Federal (CF) diz que em nossa nação não haverá penas de morte, salvo em caso de guerra declarada. Os crimes que podem levar a essa punição estão descritos no Código Penal Militar (CPM), de 1969. Ele prevê ainda que a pena deve ser executada por fuzilamento”, explica.

Segundo Cândido Júnior, a aplicação da pena de morte não ocorre em tempos de paz, já que, para sua incidência, será necessária a instauração do fortuito guerra, ato declaratório que é de incumbência privativa do Presidente da República.

De acordo com a legislação, brasileiros são passíveis de pena de morte, em tempos de guerra, se cometerem crimes como traição (pegar em armas contra o Brasil, auxiliar o inimigo), covardia (causar a debandada da tropa por temor, fugir na presença do inimigo), rebelarem-se ou incitar a desobediência contra a hierarquia militar, desertar ou abandonar o posto na frente do inimigo, praticar genocídio e praticar crime de roubo ou de extorsão em zona de operações militares, entre outros.

O advogado ainda explica que “como o próprio nome já diz, a pena de morte condena a execução de um acusado que cometeu determinado crime proibido em um país que permite esse tipo de sentença”. Dentre esses crimes, estão o tráfico de drogas, espionagem, assassinato, traição no âmbito militar, por exemplo.

As formas de execução variam de um país para outro, podendo ser feitas por métodos como aplicação de injeção letal, cadeira de choque, fuzilamento, detalha Cândido Júnior. “São muitos os países que têm a pena de morte, mas podemos exemplificar a Índia, Somália, Sudão do Sul, Japão, China, Vietnã, a Tailândia. Alguns estados americanos também permitem a execução de condenados”, aponta.

“É muito temeroso hoje a nossa justiça trabalhar com pena de morte, porque uma das coisas que o Direito mais teme é de punir alguém que não cometeu crime. O Direito entende que mais vale 99 culpados soltos do que um inocente preso. Então, não se pode transferir isso para uma pena de morte, que é uma pena que não tem reparação, não tem como reverter. No Brasil, nós temos vários casos de pessoas que foram presas, saíram e processaram o Estado, porque foi uma prisão equivocada, e receberam indenizações. Isso é uma prática comum. É temeroso se essa pessoa tivesse sido submetida a pena de morte, por esse motivo, porque em um caso de erro, não tem como reparar o dano”, conclui o advogado criminalista.

VER MAIS

VER MAIS

// try { // document.addEventListener("DOMContentLoaded", function() { // var bottomAds = document.getElementById("bottom-adsF");// console.log('bntt', bottomAds)// var toggleButton = document.createElement("span");// toggleButton.classList.add("toggle-view"); // toggleButton.onclick = toggleBanner; // Make sure to pass the function reference, not call it// var icon = document.createElement("i"); // icon.classList.add("fas", "fa-chevron-up"); // toggleButton.appendChild(icon); // // toggleButton.innerText = "ocultar/exibira"// bottomAds.appendChild(toggleButton);// let isVisible = false; // function toggleBanner (){ // isVisible = !isVisible; // if(isVisible){ // bottomAds.style.bottom = "0"; // }else{ // bottomAds.style.bottom = "-121px"; // } // } // toggleBanner ();// }); // } catch (error) { // console.error('Erro ao executar o código:', error); // }