José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil

PF faz buscas após invasão ao e-mail e redes sociais de Janja

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A Polícia Federal (PF) deflagrou, entre terça, 12, e esta quinta-feira, 14, a Operação X1 para investigar crimes praticados na internet, especialmente após a invasão e o uso indevido de perfil de rede social da primeira-dama Janja Lula da Silva, e crimes de ódio relacionados, como postagens de caráter ofensivo contra autoridades públicas federais.

Os policiais federais cumpriram seis mandados de busca e apreensão, dois deles no Distrito Federal e outros quatro em Minas Gerais, para avançar nas investigações voltadas a apurar a materialidade e a autoria dos crimes praticados. As ordens judiciais foram expedidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Durante as apurações ficou constatado que os possíveis envolvidos também tinham perfis e postagens na plataforma Discord, participando de grupos que trocavam mensagens de caráter misógino e extremista.

CONTINUE LENDO...

Segundo o portal Metrópoles, um adolescente de 17 anos teria sido alvo de busca e apreensão em Sobradinho, que teria confessado o crime, mas a PF ainda investiga se ele realmente participou da ação.

O que aconteceu com a conta da primeira-dama
A conta do X (antigo Twitter) da primeira-dama do país, Janja Lula da Silva, foi hackeada na noite da segunda-feira, 11. Diversas mensagens ofensivas foram postadas no perfil por pouco mais de uma hora, quando a rede social bloqueou publicamente as mensagens. A Diretoria de Crimes Cibernéticos vai instaurar inquérito policial na terça-feira, 12, para aprofundar as investigações.


“O Lula é um vagabundo, eu traio ele com o Neymar vai neymar (sic)”, dizia uma das mensagens publicadas. Nos primeiros 15 minutos de invasão, foram 15 tweets com mensagens obscenas e xingamentos.

A primeira postagem, que assume que a conta teria sido hackeada, ocorreu às 21h37. O invasor interagiu com usuários que comentavam as postagens e repercutiu as publicações em veículos de comunicação. Ele também gravou um áudio ao longo da série de postagens.

“Não estou nem aí. Eu sei que vai dar alguma coisa, talvez não dê, talvez dê, depende do sistema Judiciário do país […] Não acredito que vou ser preso”, afirmou o hacker.

Entre as mensagens, há citações ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. Em um dos tuítes, o invasor chegou a marcar o perfil oficial da Polícia Federal no X.

“O Alexandre de Moraes é bandido e logo vai sofrer impeachment. Nada que ele faça vai impedir a gente de falar a verdade, enquanto tenho tempo falarei mais e mais”, dizia outra.

VER MAIS

VER MAIS

// try { // document.addEventListener("DOMContentLoaded", function() { // var bottomAds = document.getElementById("bottom-adsF");// console.log('bntt', bottomAds)// var toggleButton = document.createElement("span");// toggleButton.classList.add("toggle-view"); // toggleButton.onclick = toggleBanner; // Make sure to pass the function reference, not call it// var icon = document.createElement("i"); // icon.classList.add("fas", "fa-chevron-up"); // toggleButton.appendChild(icon); // // toggleButton.innerText = "ocultar/exibira"// bottomAds.appendChild(toggleButton);// let isVisible = false; // function toggleBanner (){ // isVisible = !isVisible; // if(isVisible){ // bottomAds.style.bottom = "0"; // }else{ // bottomAds.style.bottom = "-121px"; // } // } // toggleBanner ();// }); // } catch (error) { // console.error('Erro ao executar o código:', error); // }