Foto: Freepik
Foto: Freepik

Pós-férias: como organizar as contas depois das viagens a lazer

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Para algumas pessoas, o mês de julho é uma época muito esperada, por proporcionar descanso e viagens aguardadas para quem deseja uma pausa para recuperar as energias antes do final ano. Segundo pesquisa realizada pelo Instituto Qualibest com mais de 2 mil pessoas, 76% dos brasileiros se planejam antes de viajar nas férias. Isso significa que a maioria das pessoas faz preparativos já pensando também na volta, com o intuito de não prejudicar o orçamento familiar. No entanto, ainda existem aqueles que preferem deixar a organização para a última hora.

Para o professor do curso de Administração da Estácio, Fernando Cabral, o segredo para não passar os gastos é pré-definir uma estimativa daquilo que você pretende gastar. “Uma dica é fazer um orçamento base e uma análise prévia do local para a qual você deseja ir, assim como todos os possíveis gastos que você pretende fazer, como alimentação, hospedagem, transporte e o próprio lazer. De maneira geral, isso implica em custos”, explica. Além disso, é fundamental reservar um valor para possíveis emergências, como trocar o pneu do carro, por exemplo.

CONTINUE LENDO...

Caso esse planejamento não tenha sido feito, uma dica do professor é analisar as finanças e definir quais são os custos fixos e potenciais custos variáveis do período subsequente do retorno das férias, como a conta de energia, transporte, saúde, aluguel ou financiamento, mensalidade universitária ou escolar no caso de quem tem filho, entre outras despesas, inclusive o próprio lazer cotidiano. Se, no cálculo final, a família observar que precisará de um valor extra para cobrir as despesas, uma saída é o empréstimo, ou seja, a obtenção de recursos de alguma instituição financeira para se organizar nesse período seguinte. A escolha deve levar em consideração as instituições que oferecem os juros mais baixos.

“Nas aulas de educação financeira, sempre explico que é importante tomar nota sobre os gastos. Inicialmente aqueles valores com o maior consumo da renda são mais fáceis de serem analisados. Mas é importante observar também os custos menores, que juntos podem alcançar uma parcela muito significativa do orçamento. Portanto, é necessário verificar dentro desse planejamento se é possível reduzir alguma despesa, tendo em vista que isso pode resultar em uma diminuição significativa nos gastos e, consequentemente, proporcionar um maior alívio financeiro para a pessoa”, conclui.

VER MAIS

VER MAIS

// try { // document.addEventListener("DOMContentLoaded", function() { // var bottomAds = document.getElementById("bottom-adsF");// console.log('bntt', bottomAds)// var toggleButton = document.createElement("span");// toggleButton.classList.add("toggle-view"); // toggleButton.onclick = toggleBanner; // Make sure to pass the function reference, not call it// var icon = document.createElement("i"); // icon.classList.add("fas", "fa-chevron-up"); // toggleButton.appendChild(icon); // // toggleButton.innerText = "ocultar/exibira"// bottomAds.appendChild(toggleButton);// let isVisible = false; // function toggleBanner (){ // isVisible = !isVisible; // if(isVisible){ // bottomAds.style.bottom = "0"; // }else{ // bottomAds.style.bottom = "-121px"; // } // } // toggleBanner ();// }); // } catch (error) { // console.error('Erro ao executar o código:', error); // }