Agência Belém
Agência Belém

Arvores de Belém vão ganhar placas de identificação durante a Feira da Indústria 2024

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A Associação das Indústrias Exportadoras de Madeiras do Estado do Pará (Aimex) estará presente na Feira da Indústria 2024, realizada entre os dias 22 e 25 de maio, no Hangar Centro de Convenções. No dia 23, a associação entregará para a Prefeitura de Belém 10 mil placas de identificação de árvores, para a arborização urbana da capital paraense, em uma parceria com a Florestas Urbanas Signumat e Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Belém (Semma).
A parceria tem como objetivo impulsionar o projeto de inventário florestal urbano da cidade, já em andamento, através da doação de plaquetas de alta durabilidade para identificação física de árvores urbanas.

Segundo Vittorio Kraus, diretor da Signumat, as plaquetas serão fundamentais para complementar o projeto de inventário, permitindo que cada árvore seja identificada de forma única e rastreável. Até o momento, aproximadamente 4 mil árvores foram catalogadas virtualmente, com a meta de incluir mais 6 mil árvores no inventário.
A operacionalização da identificação física das árvores e sua integração ao sistema de informação municipal será realizada pela Semma. Essa integração possibilitará uma gestão mais eficiente da arborização urbana, com dados acessíveis ao público através do portal da Semma, promovendo a transparência do processo.

CONTINUE LENDO...

Para Kraus, essa iniciativa é fundamental para subsidiar decisões sobre o planejamento da arborização urbana, bem como para nortear projetos de pesquisa visando à identificação de novas espécies e técnicas de manejo.

O presidente da Aimex, Deryck Martins, explica que a parceria tem como objetivo contribuir com a proteção das árvores existentes, hoje, no perímetro urbano de Belém. “Estamos fornecendo às autoridades locais e à comunidade ferramentas essenciais para uma gestão eficiente e transparente da arborização urbana. Nossa expectativa é que a iniciativa sirva como um modelo inspirador para outras empresas e órgãos governamentais e que contribui para a melhoria da cidade e de toda a população”, deseja Martins.

Estande Aimex

Durante a programação da Feira da Indústria 2024, dentro do espaço reservado à Aimex, os visitantes terão a oportunidade de conhecer mais sobre a produção sustentável de madeira, a partir de temáticas que abordam questões como importância da madeira para reduzir emissões, manejo florestal, geração de emprego e renda, rastreabilidade da cadeia produtiva, indústria, tecnologia e produtos sustentáveis.

Deryck Martins, presidente da Aimex, enfatiza a importância desse espaço: “O estande da Aimex trará vários elementos do uso da madeira, reforçando a sua versatilidade, diferentes tipos de pisos, com diversidade de espécies, origens de floresta nativa e floresta plantada, além das informações acerca da origem, da rastreabilidade e principalmente sobre a sustentabilidade do produto madeira”.

Além da exposição, a participação da Aimex não se limitará apenas ao espaço físico. Deryck Martins estará presente no Congresso Técnico da Indústria, mais precisamente no painel “Rastreabilidade e os desafios da cadeia de valor”.

Martins pontuou os desafios enfrentados pelas indústrias exportadoras de madeira em relação à rastreabilidade na cadeia de valor. “Atualmente é a compreensão por parte do mercado consumidor que muitas vezes não prioriza a compra de produtos com origem. A outra são as regras de exportação que são criadas e muitas vezes desconsideram as regras do país”, observa.

Quanto às estratégias da Aimex para lidar com esses desafios, Martins destacou: “Estamos acompanhando os desdobramentos da nova regulamentação da União Europeia para garantir que os produtos importados não venham de áreas de desmatamento. Hoje, o sistema de controle e monitoramento da madeira é muito avançado e precisamos ter clareza do que será solicitado para adequar ao que temos e cumprir, para que não haja impactos negativos às exportações”.

VER MAIS

VER MAIS