Foto: Contém glitter.
Foto: Contém glitter.

Saiba como o glitter que você usa no carnaval prejudica o meio ambiente

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Os circuitos de blocos de carnaval e escolas de samba já iniciaram por todo o país e nessa época o glitter é campeão na hora da produção das maquiagens. Mas você sabia que ele impacta diretamente no meio ambiente? O queridinho para brilhar no feriado é feito do corte de uma fina lâmina de um tipo de plástico, o tipo copolímero, coberto por outra fina lâmina de alumínio ou outros materiais, como por exemplo, óxidos metálicos. Por tanto o glitter não é considerado um material biodegradável e é considerado um microplástico.

Esse tipo de material é considerado um dos maiores poluidores dos oceanos. Segundo um estudo publicado em 2023, na revista PLOS ONE, um grupo de cientistas internacionais constatou que os oceanos do mundo todo estão poluídos com cerca de 171 trilhões de partículas de microplásticos, que se reunidas, pesariam cerca de 2,3 milhões de toneladas. Segundo pesquisadores ainda, o microplástico é capaz de alterar a composição de certas regiões dos oceanos, prejudicando o ecossistema do local e consequentemente a saúde humana.

CONTINUE LENDO...

A engenheira sanitarista ambiental e diretora de uma empresa de consultoria e sustentabilidade, Roberta Cavalcante, 28 anos, relata que pela dificuldade de serem recolhidos, os microplásticos são encontrados até no estômago de animais aquáticos. “Por serem microplásticos esses produtos não são removidos tão facilmente, assim como também no tratamento dos resíduos, dos esgotos, das drenagens de águas fluviais, por mais que se filtre e purifique a água antes de devolver ao meio ambiente. Em algumas pesquisas feitas por biólogos foram encontradas a presença de microplástico em plânctons, no estômago de animais marinhos, em água potável, em comidas e também no corpo humano”, explica.

“Uma das formas que poderíamos utilizar para diminuir os impactos ambientais é o uso de bioglitter, que também é conhecido como ecoglitter ou glitter orgânico. Esses glitters são semelhantes aos tradicionais, porém são feitos de produtos que não agridem o meio ambiente e nem a pele. Normalmente são produzidos com materiais variados. Um dos exemplos é pó de rocha, celuloses, sal, gelatinas, corantes naturais e alimentícios, entre outros. Eles podem ser feitos em casa ou encontrados no mercado sendo vendidos por diversas marcas, com variedade de textura e cores”, indica.

Foto: Bioglitter da Contém Glitter.

Veja uma receita para produzir seu próprio glitter biodegradável em casa:

Materiais

  • Folha de papel manteiga;
  • Gelatina incolor;
  • Água quente;
  • Corante alimentício ou cúrcuma/açafrão ou pó de hibisco;
  • Pó de mica.

Modo de preparo

Coloque a gelatina incolor em uma panela, coloque água e leve ao fogo. Deixe esquentar até conseguir fazer uma mistura bem homogênea e que não fique granulada. Coloque em um vasilha de vidro ou porcelana, adicione uma colher do material escolhido pra colorir e vá misturando até ficar bem homogêneo. Coloque uma colher de pó de mica e misture novamente até incorporar bem. Essa mistura não deve demorar muito, pois a gelatina volta a ficar grossa se esfriar.

Na folha de papel manteiga ou acetato, espalhe a mistura de gelatina. Deixe uma pontinha mais grossa (isso facilita o momento de retirar após a secagem). Aguarde de 12 a 48 horas, até que o conteúdo esteja totalmente seco e se soltando da folha.

Corte a “folha” de gelatina em pedaços menores e leve ao liquidificador, bata até triturar bem. Quanto mais bater, menor o floco fica. Pronto, o bioglitter está pronto para ser usado!

VER MAIS

VER MAIS