Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Pará e MT lideram ranking de queimadas na Amazônia

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Dados do Inpe (Istituto Nacional de Pesquisas Espaciais) apontam 2.562 focos de queimada na Amazônia no último mês de junho, um aumento de 11% em comparação ao mesmo mês de 2021. A quantidade de focos é a maior registrada para o mês desde 2007, quando os satélites do instituto captaram 3.519 focos de incêndio.

Os números de junho seguem a tendência de aumento já registrado em maio, quando o Inpe computou 2.287 focos de queimada no bioma, a maior quantidade no mês desde 2004. Mato Grosso e Pará lideram o ranking dos estados, com 64,5% e 21,7% dos focos. No cerrado, foram observados 4.239 focos de incêndio, o maior número do mês desde 2010. No Pantanal, houve um aumento de 17% em relação a junho do ano passado.

CONTINUE LENDO...

O uso de fogo em território nacional está proibido por 120 dias desde 23 de junho, devido ao período de seca. Ainda assim, o Inpe observou 1.113 focos na Amazônia desde a data.

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, comentou o cenário, dizendo que já foi iniciada a convocação de brigadistas. “Na verdade, são focos de calor. Então, o dado que nós temos do último relatório, temos hoje sete queimadas na Amazônia toda, o resto são fontes de calor”, afirmou.

Porta-voz de Amazônia do Greenpeace Brasil, Cristiane Mazzetti afirmou que “a estação seca mal começou e a Amazônia já está batendo novos recordes na destruição ambiental”. “O ocorrido não surpreende visto que a região está sob intensa ameaça, com altos níveis de ilegalidade que continuam devastando grandes áreas e vidas. Esse cenário se fortaleceu nos últimos três anos na Amazônia como resultado direto de uma política aplicada com êxito que facilita e estimula o crime ambiental”, diz.

Mais desmatamento

Além da alta de incêndio, dados do Inpe mostram que o número de alertas de desmatamento na Amazônia Legal de janeiro a junho deste ano é o maior em sete anos, com 3.750 km² de floresta derrubada. No primeiro semestre do ano passado, o número foi de 3.605 km², o que representa um aumento de 4%.

Com informações: R7

VER MAIS

VER MAIS