Reprodução/Freepik
Reprodução/Freepik

Depois de gasolina e energia, ministro diz que redução do ICMS deve baixar conta do celular

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Com redução média de R$ 1,75 na gasolina em todo o Brasil, a queda da cobrança do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre diversos produtos terá impactos positivos sobre a economia, em especial para os microempreendedores, declarou o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, em entrevista ao programa A Voz do Brasil na última terça-feira, 19.

Um aspecto impactante da retirada da cobrança do ICMS, em especial da energia elétrica, é que a medida terá grande capacidade de impulsionar empregos de base no mercado brasileiro, disse o ministro. Segundo Sachsida, houve grande articulação política para trazer o que classificou como “alívio” após uma sequência de acontecimentos que reverberaram na economia brasileira. Ele relembra que “Em 2019, tivemos o maior acidente ambiental da história do Brasil, o desastre de Brumadinho. Em 2020, a maior pandemia da história da humanidade, que continuou em 2021 – com a maior crise hídrica da história do Brasil. Em 2022, a maior movimentação de tropas desde a Segunda Guerra Mundial. É um ambiente muito difícil internacional e nacionalmente”.

CONTINUE LENDO...

O ministro informou também que haverá desconto significativo nos serviços de telecomunicação operados no Brasil e destaca que os efeitos poderão ser sentidos a partir do mês que vem. Embora tenha agradecido ao Congresso Nacional pela viabilidade das leis sobre o ICMS, criticou a forma como os estados concentraram parte significativa da arrecadação em certos tributos. “Do ponto de vista econômico, é um erro. Porque o peso morto do imposto aumenta com o tamanho da tributação. Quando se aumenta demais certos tributos, como a energia, você destrói empregos e produção. Avançamos no caminho correto”, complementou.

Com informações da Agência Brasil

VER MAIS

VER MAIS