Reprodução/Redes Sociais
Reprodução/Redes Sociais

Justiça nega pedido de prisão preventiva de Sari Côrte Real após condenação

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Na última segunda-feira, 25, o juiz Edmilson Cruz Júnior, da 1ª Vara dos Crimes Contra Criança e Adolescente da Capital, em Pernambuco, negou o pedido da acusação pela decretação de prisão preventiva ou retenção de passaporte de Sari Côrte Real, condenada por abandono de incapaz com resultado na morte do menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, no dia 2 de junho de 2020. A sentença foi dada no dia 19 de julho, mas foi publicada no Diário Oficial da Justiça de ontem.

Sari foi condenada a oito anos e seis meses de reclusão. Porém, de acordo com o previsto pelo artigo 387, parágrafo único, do Código de Processo Penal, ele teve o direito de recorrer em liberdade.

CONTINUE LENDO...

Relembre
O menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, morreu após cair do nono andar de um prédio conhecido como “Torres Gêmeas”, no bairro São José, em Recife, Pernambuco, em 2020. De acordo com investigação da Polícia Civil, a queda ocorreu quando a mãe do menino, que trabalhava como empregada doméstica em um dos apartamentos, teria descido com o cachorro de sua patroa, Sari Côrte, e deixado Miguel aos seus cuidados.

Imagens da câmera do elevador que a polícia teve acesso na época mostram Sari deixando o menino após apertar o botão da cobertura. Ele aparece apertando outros botões, entrando e saindo várias vezes, aparentando estar perdido. Por fim, desembarca e vai para uma área onde ficam aparelhos de ar-condicionado, de onde caiu de uma altura de cerca de 35 metros.

Miguel foi socorrido ainda com vida por um médico morador do edifício e encaminhado em ambulância para o Hospital da Restauração, mas não resistiu.

Com informações da CNN Brasil

VER MAIS

VER MAIS