Reprodução
Reprodução

Homem que morreu carbonizado em explosão de carro queria matar esposa e filha, diz testemunha

COMPARTILHAR:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Djanir Luiz Rosa Coutinho, de 36 anos, que morreu carbonizado em um explosão de carro em Barra do Turvo, no interior de São Paulo, estaria ‘transtornado’ e teria a intenção de matar a esposa e a filha, disse uma testemunha ocular da tragédia. O homem havia brigado com a mulher e entrado no veículo com um galão de gasolina, momento em que acendeu um cigarro e começou a pegar fogo.

O veículo ficou em chamas e várias pessoas se desesperaram tentando controlar o fogo com o uso de extintores.

CONTINUE LENDO...

Pouco antes do incidente, que ocorreu no fim da tarde da última quinta-feira, 4, a esposa de Djanir procurou a Delegacia de Barra do Turvo e registrou um boletim de ocorrência contra o marido, relatando ameaças e violência doméstica. Após o registro, ela resolveu levar o filha até a sede do Conselho Tutelar da cidade.

Segundo a testemunha, a esposa de Djair disse que o marido a havia ameaçado, bem como a filha do casal. “Ele trouxe a gasolina na intenção de matar as duas. A gente entende que ele tinha premeditado”.

“Pelo olhar dele, a intenção era de fazer a tragédia ali. Se não tivesse a intenção não teria levado 2 litros de gasolina em garrafa pet. Sabia que ele ia provocar uma tragédia. No momento, só queria salvar a mulher dele porque ela falou que ele iria matá-la. Foi tudo rápido”, disse a testemunha.

Djair, inclusive, teria ameaçado uma conselheira tutelar, que estava impedindo a entrada dele na unidade. A mulher disse a ele que estava cheirando gasolina. E, em resposta, ele informou que “ela também ficaria cheirando gasolina”.

“Me desesperei. Ele estava transtornado, não aceitou nenhuma palavra. Vi que saiu com um galão de 2 litros [de gasolina] do carro e deduzi que ele ia por fogo em tudo”.

De acordo com a testemunha, não deu tempo de tentar socorrer o homem, pois vários extintores falharam. “Todo mundo que apareceu para ajudar, o extintor não funcionava, quando conseguiram apagar ele já estava morto”.

Com informações do G1

VER MAIS

VER MAIS